Paz na Síria é uma das prioridades para a ONU

Paz na Síria é uma das prioridades para a ONU
De  Nara Madeira com REUTERS/ONU
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O Conselho de Segurança das Nações Unidas adotou, por unanimidade, uma resolução com o objetivo de promover a paz na Síria. O documento, acordado

PUBLICIDADE

O Conselho de Segurança das Nações Unidas adotou, por unanimidade, uma resolução com o objetivo de promover a paz na Síria.

O documento, acordado pelos cinco Estados com direito de veto e aprovado pelos 15 países-membros, apela a negociações de paz formais, entre governo e forças da oposição, já no início de janeiro, e a um cessar-fogo.

A resolução pede ainda que no prazo de seis meses seja implementado um governo de transição e em dezoito meses, no total, eleições para a adoção de uma nova Constituição.

Today's resolution on #SyriaCrisis marks an important step on which we must build – #UNSG Ban Ki-moon to #UNSCpic.twitter.com/zoBgY9TegC

— UN Spokesperson (@UN_Spokesperson) diciembre 18, 2015

Mas nem tudo é motivo de consenso. Para o Secretário de Estado dos EUA Bashar al-Assad não faz parte da solução para a Síria:

“O Presidente Assad perdeu a credibilidade que lhe permitia unir o país e dar a credibilidade moral necessária para governar no futuro”, afirmou John Kerry.

Moscovo não concorda. Sergey Lavrov, o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, fez questão de deixá-lo claro:

“Só o povo sírio pode definir o futuro. Esta é uma resposta clara, a uma tentativa de imposição de uma solução externa aos sírios, em questões como a que diz respeito ao seu Presidente”, referiu Lavrov.

Enquanto grupos de rebeldes, trabalharam em conjunto para o cessar-fogo, em Viena, o grupo Estado Islâmico foi, naturalmente, deixado fora desta equação, mas não foi o único. O Destino de Bashar al-Assad, ou o seu papel no processo de paz, não foi contemplado nesta resolução da ONU.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Guterres condena ataque "inconcebível" que matou trabalhadores humanitários em Gaza

Embaixador iraniano na Síria promete retaliação após alegado ataque israelita destruir consulado

Ataque israelita destrói consulado iraniano em Damasco e mata alta patente militar