EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Mulheres egípcias denunciam violência de género no Cairo

Mulheres egípcias denunciam violência de género no Cairo
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A sede do Sindicato da Imprensa, no Cairo, foi palco de um protesto simbólico para denunciar a violência contra as mulheres nos países árabes, em

PUBLICIDADE

A sede do Sindicato da Imprensa, no Cairo, foi palco de um protesto simbólico para denunciar a violência contra as mulheres nos países árabes, em particular, e no mundo em geral.

Segundo um estudo das Nações Unidas, 99 por cento das mulheres no Egito são sujeitas a alguma forma de violência de género, seja física ou verbal.

Uma manifestante diz que “as mulheres sofrem todo o tipo de violência e são culpadas por isso. Os maridos agridem-nas por considerarem que responderam ou procederam mal”.

Outra afirma que “no Egito, estão sujeitas a vários tipos de violência, mas a pior é a que força mulheres a continuarem a ter filhos até ao nascimento de um varão. Esta forma de violência, designada reprodução compulsiva, conduz à morte de muitas mulheres”.

De acordo com o Centro Egípcio para os Direitos das Mulheres, há mais de 200.000 violações por ano no país e os números aumentaram durante o período recente de instabilidade política.

O correspondente da euronews, Mohammed Shaikhibrahim, diz que “os países árabes registam uma das mais elevadas taxas de violência contra as mulheres do mundo. O protesto no Cairo, apesar de modesto em termos do número de participantes, constitui uma mensagem forte para sublinhar um problema que a comunidade árabe tenta esconder, devido as normas sociais vigentes”.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Luta contra a violência de género é prioridade na UE

Presidente da Geórgia garante em entrevista à Euronews que vai vetar lei dos "agentes estrangeiros"

Nemo quebrou o código: Concorrente da Suíça é primeira pessoa não-binária a vencer a Eurovisão