EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Combatentes do Estado Islâmico abandonam complexo estratégico na cidade iraquiana de Ramadi

Combatentes do Estado Islâmico abandonam complexo estratégico na cidade iraquiana de Ramadi
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

As forças iraquianas retomaram, este domingo, o controlo do complexo governamental estratégico na cidade de Ramadi, que serviu, até agora de centro

PUBLICIDADE

As forças iraquianas retomaram, este domingo, o controlo do complexo governamental estratégico na cidade de Ramadi, que serviu, até agora de centro de operações para os jihadistas do autodenominado Estado Islâmico.

Um porta-voz das forças de elite anti-terroristas do Iraque referiu que não houve qualquer resistência nem sinal de extremistas. No terreno, procuram-se eventuais minas ou explosivos.

No Iraque ou na Síria, o Estado Islâmico tenta consolidar-se no norte dos dois países para prosseguir os planos expansionistas. Mossul, no Iraque, é o principal feudo desde junho de 2013, e Raqqa, na Síria, a ponte de união com Aleppo.

Este sábado, as Forças Democráticas da Síria, coletivo armado apoiado pelos Estados Unidos e composto por curdos, árabes e cristãos assírios, assumiram o controlo de uma barragem em Tishreen, na província de Aleppo.

Considerada estratégica, esta é uma das três barragens principais no rio Eufrates. Os combates com jihadistas do autodenominado Estado Islâmico prolongaram-se por 72 horas e traduziram-se na morte e captura de vários militantes. A ofensiva para recuperar a barragem avançou na quinta-feira e visa ganhar a cidade síria de Raqqa dos extremistas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Coletivo apoiado por EUA assume controlo de barragem síria depois de combates com jihadistas

Líder do Estado Islâmico promete ataques em Israel e apela a uma revolta na Arábia Saudita

União Europeia condena lei do Iraque que criminaliza homossexualidade