EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

"Gralha" embaraça cerimónias dos atentados contra o Charlie Hebdo

"Gralha" embaraça cerimónias dos atentados contra o Charlie Hebdo
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A França recorda a partir de hoje e até domingo as 17 vítimas do atentado contra o jornal satírico Charlie Hebdo. Um ano depois do ataque, três

PUBLICIDADE

A França recorda a partir de hoje e até domingo as 17 vítimas do atentado contra o jornal satírico Charlie Hebdo.

Um ano depois do ataque, três placas comemorativas foram descerradas em Paris pelo presidente francês, François Hollande, junto à antiga sede do jornal, no local onde um polícia foi morto e num supermercado judeu, onde quatro clientes foram abatidos durante um sequestro.

Uma cerimónia abalada por uma gralha na placa evocativa dos 11 desenhadores e jornalistas do Charlie Hebdo, no nome do cartonista Wolinski, escrito com um “Y”.

«Wolinsky», l'énorme faute sur la plaque commémorative de #CharlieHebdohttps://t.co/y3PJ4QuCx6pic.twitter.com/G2gRfZzrVM

— Le Figaro (@Le_Figaro) January 5, 2016

Os organizadores foram obrigados a voltar a cobrir a placa, à espera de que esta seja substituída.

Donc la plaque rue Nicolas Appert après la faute d'orthographe sur Wolinski ... Cc @davidperrotinpic.twitter.com/7zKfE96Nw2

— Aurélie Sarrot (@aureliesarrot) January 5, 2016

Um ano depois, os atos oficiais deverão coincidir, no domingo, com uma cerimónia evocativa das vítimas de todos os atentados terroristas em Paris, no ano passado.

Para assinalar a data, o jornal satírico publica uma edição especial, esta quarta-feira, cuja capa está a criar uma nova polémica.

#CharlieHebdo :1 an après l' attentat le numéro anniversaire tiré à 1 million d'exemplaires https://t.co/CjPQ6IhKRppic.twitter.com/5fA8yRJ69D

— TV5MONDE Infos (@TV5MONDEINFO) January 5, 2016

Na primeira página, uma caricatura de um Deus sanguinário, armado com uma kalashnikov, pretende ilustrar o alegado responsável dos atentados que, segundo o jornal, continua ainda a monte.

Uma imagem criticada por vários líderes religiosos como uma amálgama entre religião e terrorismo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

O que mudou em França após o ataque ao Charlie Hebdo?

Reino Unido: Agarrar os jovens antes que mergulhem no terrorismo

O longo pesadelo em França