EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

França: Protesto inflamado de taxistas em Paris

França: Protesto inflamado de taxistas em Paris
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Em Paris, a polícia de choque francesa e os bombeiros intervieram para limpar as artérias ocupadas por taxistas em protesto contra a concorrência das

PUBLICIDADE

Em Paris, a polícia de choque francesa e os bombeiros intervieram para limpar as artérias ocupadas por taxistas em protesto contra a concorrência das empresas de transporte privado como a Uber.

As vias estiveram bloqueadas por pneus a arder. A manifestação terminou em confrontos com as forças da ordem.

Karim Asnoun, Secretário Geral da CGT explica: “ Hoje, os motoristas que alugam o seu táxi não podem pagar. Têm de devolver os carros. Os motoristas que compraram a licença não podem pagar ao banco. Isto é uma mobilização europeia porque todos os colegas europeus são afectados por esta desregulamentação que favorece as multinacionais que desenvolvem aplicações, muitas vezes, em situação ilegal”.

Os taxistas franceses tiveram o apoio dos colegas espanhóis que enfrentam igualmente a concorrência da multinacional norte-americana, Uber.

Este taxista de Valência diz: “Viemos aqui apoiar os taxistas franceses porque sentimos que em grandes capitais como Paris podemos agir para colocar um fim a este pesadelo”.

O protesto de âmbito nacional coincide com uma greve mais generalizada dos serviços público e privado pela defesa do poder de compra.

Paris foi somente um dos pontos em que os ânimos se inflamaram. A polícia prendeu cerca de 20 pessoas. Há notícias de três feridos, não se sabe ainda em que circunstâncias.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Legislativas antecipadas mergulham França na incerteza política sem primeiro-ministro no horizonte

Centenas festejam em Paris na noite da segunda volta das eleições francesas

Rassemblement National não terá maioria absoluta, segundo as últimas sondagens