Última hora
This content is not available in your region

Milão conjuga cliché underground no feminino

Milão conjuga cliché underground no feminino
Tamanho do texto Aa Aa

Depois de Nova York e Londres e antes de Paris, chegou a vez de Milão, a penúltima das chamadas “big four”, apresentar as novidades para o Inverno 2017.

A Semana da Moda de Milão teve este ano na passarela pela primeira vez um primeiro-ministro. Menos treinado em marcha felina, Matteo Renzi inaugurou o evento, que até dia 29 exibirá as mais recentes coleções femininas dos maiores grifes – Gucci, Fendi, Prada, Giorgio Armani, Roberto Cavalli.

O primeiro dia da Milan Fashion Week culminou com um desfile de Roberto Cavalli. A marca apresentou a nova coleção outono-inverno 2016-2017 desenhado por Peter Dundas, o ex-diretor criativo da Emilio Pucci. Dundas falou de superstição e misticismo, evocou a Belle Epoque, juntou-lhe alusões ao rock’n‘roll dos anos 60 e 70. As ninfas deambularam de olhares lânguidos com o ar decadente que lhes encomendaram.

Toques efémeros, tons pálidos, casacos de pele num patchwork de cores, a fingir um ar selvagem à la Janis Joplin.

BluMolinari

A Blugirl by Bluemarine jogou com conotações românticas, peles e rendas transparentes.

Anna Molinari criou uma coleção com mistura de estilos, à procura do sofisticado. Na palete de cores, a estilista reeditou o preto e branco, marrom, cinza, dourado e prata.

Jaquetas de pele bem casadas com vestidos e saias, casacos compridos totalmente cobertos com pele ou apenas sóbrias aplicações. A completar recortes assimétricos e golas amplas, Molinari recorreu a luvas e meias de lã e luvas.

GucciGucci

A maison Gucci foi buscar o renascimento italiano e o cliché pop underground de Nova York para evocar um estilo “renascentista rock”.

A direção criativa de Alessandro Michele apostou em mangas bufantes, peles macias e muito coloridas, toucas por baixo de perucas com detalhes modernos. A lembrar orientalismos, blusas e vestidos estampados com serpentes e panteras, túnicas e peças longas, saias coloridas de tulle e corpetes de ombro único.

Cores fortes, cerimónia pop com Andy Warhol algures nas entrelinhas. Nada de espantar, pois o filho de eslovacos foi sacerdote assumido da fé pragmática que casa moda, imagem, marcas e o despudor do consumismo.

Proíbido partilhar

As grandes marcas querem banir as redes sociais de seus desfiles, escreve o Women’s Wear Daily (WWD), o jornal comercial da indústria de moda.

A marca francesa Jacquemus anunciou que não será permitido partilhar imagens dos desfile nas redes sociais e a italiana MSGM, de Massimo Giorgetti, imprimiu convites que avisavam os convidados sobre a imcompatibilidade entre o fenómeno das redes sociais e o negócio da moda. A MSGM pedia aos convidados que não usem o Instagram nem outras redes sociais na semana da moda em Milão. Giorgetti reforçou: “Queremos que os compradores e editores “olhem as roupas com os olhos, não através de um ecrã”.