Última hora

Última hora

Referendo húngaro poderá violar tratados europeus segundo UE

Em leitura:

Referendo húngaro poderá violar tratados europeus segundo UE

Referendo húngaro poderá violar tratados europeus segundo UE
Tamanho do texto Aa Aa

Bruxelas duvida da legalidade do referendo convocado pela Hungria ao plano de repartição de migrantes na UE.

A consulta, ainda sem data marcada, tinha sido anunciada ontem pelo primeiro-ministro Viktor Órban, como uma forma, segundo ele, “de defender a soberania do país”.

Para a Comissão Europeia (CE), o anúncio de Órban pode violar os tratados da União, como afirma a porta-voz da CE, Natasha Bertaud:

“Temos alguma dificuldade em perceber como é que este referendo se encaixa no processo de decisões acordado por todos os Estados-membros, incluindo a Hungria, à luz dos tratados da UE. Mas o debate no país não parece estar concluído e por isso vamos esperar por mais esclarecimentos sobre este tema”.

A Hungria, que rejeita a quota de 2.300 refugiados atribuída ao país, tinha já apresentado uma queixa contra o plano junto do tribunal de justiça da UE, em Dezembro.

Segundo o ministro dos Negócios Estrangeiros húngaro, Peter Szijjarto:

“Nós apresentámos uma queixa sobre as quotas em tribunal e acreditamos firmemente que esta decisão desrespeita as regras da UE. O povo húngaro tem o direito de dar a sua opinião sobre qualquer intenção ou decisão futura que ponha em prática esta decisão sobre as quotas migratórias”.

O plano, aprovado no ano passado mas que tarda em ser aplicado, prevê a repartição de 160 mil migrantes pelos estados-membros da UE e enfrenta a resistência de vários países de leste para quem a única solução é encerrar as fronteiras.

Entrevistado pelo jornal alemão Bild, Viktor Órban justificou a decisão de convocar um referendo, ao afirmar, “as quotas migratórias na UE ameaçam a composição étnica, cultural e religiosa da Hungria e da Europa”, “este referendo não é contra a Europa mas em defesa da Democracia”.

O gesto de Budapeste ocorre depois do governo ter sido o primeiro a encerrar as fronteiras, em Setembro, opondo-se à política de “portas abertas” do executivo alemão.

Uma decisão que não impediu que mais de 500 pessoas cruzassem clandestinamente a fronteira nos últimos dias.