A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

"Assalto a Londres" chega às salas de cinema

"Assalto a Londres" chega às salas de cinema
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Londres sofre um ataque terrorista no primeiro thriller de ação do realizador Babak Najafi, em língua inglesa.

Em “Assalto a Londres” o primeiro-ministro britânico morre em circunstâncias misteriosas e o seu funeral transforma-se numa oportunidade para matar os líderes mais poderosos do mundo.

O filme, que já estreou em Portugal e no Brasil, é protagonizado por Gerard Butler, Aaron Eckhart, Angela Bassett e Morgan Freeman.

Butler e Freeman que se tinha já cruzado num outro assalto, à Casa Branca:

“Agora estamos em Londres e é um ataque a um grupo de líderes mundiais. Uma ação em larga escala, não apenas à Casa Branca. Depois há a fuga, que conseguimos concretizar, e passamos o resto do filme a ser caçados de todas as formas possíveis e imaginárias​​”, explica Gerard Butler.

Para a atriz norte-americana, de 57 anos, Angela Bassett, a rodagem foi como uma reunião de família:

“Volto a encontrar-me com o Aaron, o Gerard e o Morgan, pessoas com as quais estou familiarizada. Sinto-me segura, em família, não tenho de me habituar a eles. E com o personagem é a mesma coisa, foi como vestir um roupão ou uns sapatos confortáveis, mas que não usava à muito tempo”, adianta a atriz.

O veterano e talentoso Morgan Freeman regressa ao grande ecrã, também satisfeito por reencontrar o elenco:

“A pressão é muito pouca porque sei com quem estou a trabalhar, conheço as minhas próprias dinâmicas e tudo foi pensado. Tudo é muito mais fácil quando se faz algo que já se fez”, diz o ator.

Babak Najafi, o realizador da película nasceu no Irão mas refugiou-se na Suécia, com a sua família, quando tinha apenas 11 anos. Fugiram da guerra entre o seu país e o Iraque.