A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Irão fica fora do acordo para congelar produção de petróleo

Irão fica fora do acordo para congelar produção de petróleo
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Um acordo final para o congelamento da produção de petróleo poderá ser assinado em abril, mas vai excluir o Irão para já. O anúncio foi feito pelo ministro russo da Energia, Alexander Novak, após a visita a Teerão.

Em fevereiro, a Rússia e três países da OPEP (Arábia Saudita, Qatar e Venezuela) concordaram em manter a produção em níveis de janeiro, para estabilizar os preços após meses de queda.

Mas o Irão rejeita uma redução da produção, enquanto não atingir os quatro milhões de barris de petróleo por dia, a quota que tinha antes das sanções internacionais.

Atualmente, o país produz, por dia, cerca de 3,1 milhões de barris.

“Já manifestámos a nossa opinião sobre a congelação da produção e considero que até termos alcançado os quatro milhões de barris por dia, deviam deixar-nos em paz. Quando atingirmos esse nível de produção, então poderemos cooperar”, declarou o ministro do Petróleo do Irão, Bijan Zangané.

No relatório mensal, a OPEP revela que, em fevereiro, a organização produziu 32,2 milhões de barris diários de crude, menos 175 mil barris por dia face a janeiro.

A instituição baixou também as previsões de consumo para este ano. Prevê uma procura mundial de 31,5 milhões de barris diários, menos 90 mil barris por dia face à previsão do mês anterior.

O relatório da OPEP e as declarações do ministro russo não tranquilizaram os mercados.

Em Londres e em Nova Iorque, as cotações recuaram fortemente. O barril está, de novo, abaixo dos 40 dólares.