A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Atentado de Ancara agrava confrontos no sudeste da Turquia

Atentado de Ancara agrava confrontos no sudeste da Turquia
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Os confrontos entre forças de segurança e rebeldes curdos voltaram a intensificar-se esta segunda-feira à noite, em Diyarbakir, no sudeste da Turquia. Pelo menos quatro pessoas morreram: alegadamente, três elementos do grupo terrorista PKK e um soldado turco.

Os confrontos aconteceram após ter sido reativado pelas autoridades o recolher obrigatório nesta região de maioria curda, na sequência do atentado de domingo em Ancara, o qual levou o presidente Recep Tayyp Erdogan a anunciar o desejo de redefinir o conceito de terrorismo. As autoridades turcas acreditam que o grupo terrorista Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) está na base do ataque na capital e pode ter tido ajuda local.

“Não há diferenças entre um terrorista com uma arma na mão e as pessoas que abusam do respetivo título e posição para colocar tudo à disposição dos terroristas para que estes concretizem os seus objetivos. Pode ser académico, jurista, escritor, jornalista ou diretor de uma ONG, isso não muda o facto de que este homem ou esta mulher seja um terrorista”, afirmou o presidente turco, reforçando: “A pessoa que puxa o gatilho ou que rebenta uma bomba é um terrorista. Mas quem torna esses ataques possíveis também. Por isso devemos alterar a definição de terrorismo no código criminal.”

Com esta redefinição, Erdogan parece pretender justificar o aparente desejo de “agarrar” também alegados cúmplices do PKK. O presidente já pediu inclusive ao parlamento turco para levantar a imunidade, por exemplo, de Selahattin Demirtas, o líder do HDP, o partido curdo com assento parlamentar.

Em Ancara, entretanto, eram ainda bem visíveis esta terça-feira de manhã os estragos causados na zona circundante ao local onde aconteceu o ataque à bomba de domingo, em que morreram pelo menos 37 pessoas e mais de 100 ficaram feridas, de acordo com o jornal Hurryet.

Os residentes da capital turca revelam medo de que novos ataques se sucedam. É o caso de Necla Sara: “Sinceramente, não tenho grande esperança de que este tipo de ataques tenha um fim. Sou pessimista. Acredito que isto pode repetir-se. Algumas pessoas esperam mudar alguma coisa através do terrorismo. Espero que falhem.”

A bomba de domingo foi acionada a partir de uma viatura em movimento, junto a um autocarro e a uma paragem dos transportes públicos de Ancara. Foi o terceiro maior atentado suicida na capital turca nos últimos cinco meses.