Última hora

Ataques de Paris: Abdeslam ferido e detido em Bruxelas (cronologia)

Ataques de Paris: Abdeslam ferido e detido em Bruxelas (cronologia)
Tamanho do texto Aa Aa

O principal suspeito de ligação aos atentados de Paris, em que morreram 130 pessoas, Saleh Abdeslam foi detido esta sexta-feira, em Bruxelas, durante uma operação antiterrorista, na qual terão sido detidas outras 4 pessoas. Um dos outros detidos foi identificado como Amine Choukri. Os restantes 3 — Abid A., Sihane M. e Djemila M. — serão membros da família em cujo apartamento estaria escondido Abdeslam.

O principal suspeito dos atentados de Paris encontrava-se a monte há 126 dias, foi ferido numa perna no decurso da operação desta sexta-feira, tal como o alegado cúmplice também detido. Ambos foram transportados para um hospital de Bruxelas.

A operação terá começado por volta das 16 horas (menos uma hora em Lisboa). Houve troca de tiros, chegaram a ouvir-se duas explosões. Foi criado um perímetro de segurança em torno do local, na Rua Quatre Vents, no bairro de Molenbeek, nos arredores da capital belga, onde esta sexta-feira decorria o segundo e último dia de um importante Conselho Europeu para debater a crise de refugiados.

A operação terá terminado por volta das 20h30. Para o local foi, entretanto, mobilizada a polícia científica para recolher todos os vestígios deixados no apartamento, onde não foram encontrados quaisquer explosivos.

A localização de Salah Abdeslam terá sido possível depois de uma outra operação de busca a um apartamento do bairro de Forest, que originou uma troca de tiros entre as forças da ordem e vários suspeitos, dos quais um acabou morto. Três polícias belgas e um francês ficaram feridos. Abdeslam não foi visto, mas no local foram encontradas as suas impressões digitais.

(Enviado especial da euronews a Molenbeek: “Abdeslam foi encontrado no apartamento vizinho da farmácia que se vê ao longe à esquerda nesta foto.”)

O suspeito morto na operação de terça-feira foi identificado como Mohamed Belkaid, um argelino de 35 anos a viver de forma clandestina na Bélgica e até ali desconhecido das autoridades belgas. Agora, Belkaid é suspeito de ter sido o responsável por pelo menos parte da logística dos atentados de Paris sob a falsa identidade de Samir Bouzid, o qual tinha um mandado de captura aberto desde 4 de dezembro.

À hora que era dada como terminada a operação policial em Molenbeek e pouco depois de terem recebido uma chamada telefónica de Barack Obama, o primeiro-ministro belga Charles Michel e o Presidente francês François Hollande concederam uma conferência de imprensa na qual felicitaram as forças de segurança envolvidas na captura de Salah Abdeslam e enalteceram a cooperação “intensa” entre as autoridades de ambos os países desde os atentados de 13 de novembro.

François Hollande e o ministro do Interior, Bernard Cazeneuve, salientaram que “o nível de ameaça continua muito elevado” em França.

Hollande deixou o aviso de que a investigação em torno dos atentados de Paris não está terminada. “Houve antes detenções e vão haver mais”, garantiu, revelando a marcação para este sábado de manhã um Conselho de Defesa, do qual deverá sair o pedido formal da Procuradorial-geral francesa da extradição “tão rápida quanto possível” de Salah Abdeslam da Bélgica para França.

Acompanhámos a operação em direto e aqui pode consultar a evolução das informações ao longo do dia:

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.