Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Ataques de Paris: Abdeslam ferido e detido em Bruxelas (cronologia)

Ataques de Paris: Abdeslam ferido e detido em Bruxelas (cronologia)
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O principal suspeito de ligação aos atentados de Paris, em que morreram 130 pessoas, Saleh Abdeslam foi detido esta sexta-feira, em Bruxelas, durante uma operação antiterrorista, na qual terão sido detidas outras 4 pessoas. Um dos outros detidos foi identificado como Amine Choukri. Os restantes 3 — Abid A., Sihane M. e Djemila M. — serão membros da família em cujo apartamento estaria escondido Abdeslam.

O principal suspeito dos atentados de Paris encontrava-se a monte há 126 dias, foi ferido numa perna no decurso da operação desta sexta-feira, tal como o alegado cúmplice também detido. Ambos foram transportados para um hospital de Bruxelas.

A operação terá começado por volta das 16 horas (menos uma hora em Lisboa). Houve troca de tiros, chegaram a ouvir-se duas explosões. Foi criado um perímetro de segurança em torno do local, na Rua Quatre Vents, no bairro de Molenbeek, nos arredores da capital belga, onde esta sexta-feira decorria o segundo e último dia de um importante Conselho Europeu para debater a crise de refugiados.

A operação terá terminado por volta das 20h30. Para o local foi, entretanto, mobilizada a polícia científica para recolher todos os vestígios deixados no apartamento, onde não foram encontrados quaisquer explosivos.

A localização de Salah Abdeslam terá sido possível depois de uma outra operação de busca a um apartamento do bairro de Forest, que originou uma troca de tiros entre as forças da ordem e vários suspeitos, dos quais um acabou morto. Três polícias belgas e um francês ficaram feridos. Abdeslam não foi visto, mas no local foram encontradas as suas impressões digitais.

(Enviado especial da euronews a Molenbeek: “Abdeslam foi encontrado no apartamento vizinho da farmácia que se vê ao longe à esquerda nesta foto.”)

O suspeito morto na operação de terça-feira foi identificado como Mohamed Belkaid, um argelino de 35 anos a viver de forma clandestina na Bélgica e até ali desconhecido das autoridades belgas. Agora, Belkaid é suspeito de ter sido o responsável por pelo menos parte da logística dos atentados de Paris sob a falsa identidade de Samir Bouzid, o qual tinha um mandado de captura aberto desde 4 de dezembro.

À hora que era dada como terminada a operação policial em Molenbeek e pouco depois de terem recebido uma chamada telefónica de Barack Obama, o primeiro-ministro belga Charles Michel e o Presidente francês François Hollande concederam uma conferência de imprensa na qual felicitaram as forças de segurança envolvidas na captura de Salah Abdeslam e enalteceram a cooperação “intensa” entre as autoridades de ambos os países desde os atentados de 13 de novembro.

François Hollande e o ministro do Interior, Bernard Cazeneuve, salientaram que “o nível de ameaça continua muito elevado” em França.

Hollande deixou o aviso de que a investigação em torno dos atentados de Paris não está terminada. “Houve antes detenções e vão haver mais”, garantiu, revelando a marcação para este sábado de manhã um Conselho de Defesa, do qual deverá sair o pedido formal da Procuradorial-geral francesa da extradição “tão rápida quanto possível” de Salah Abdeslam da Bélgica para França.

Acompanhámos a operação em direto e aqui pode consultar a evolução das informações ao longo do dia: