EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Recordar a tragédia da Germanwings um ano depois

Recordar a tragédia da Germanwings um ano depois
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Na véspera do primeiro aniversário do desastre do Airbus A320 da Germanwings, familiares das vítimas reuniram-se em cerimónias em Barcelona

PUBLICIDADE

Na véspera do primeiro aniversário do desastre do Airbus A320 da Germanwings, familiares das vítimas reuniram-se em cerimónias em Barcelona, Dusseldorf e Marselha.

O evento principal está marcado para esta quinta-feira.

Em Barcelona, cidade de onde o avião descolou, vários elementos do governo, como o primeiro-ministro ainda em funções, Mariano Rajoy, e familiares das vítimas marcaram presença numa cerimónia.

Sílvia Chaves, presidente da associação das famílias das vítimas. “Queremos prevenir acidentes como estes. Queremos impedir que mais famílias passem por aquilo que já passados, momentos terríveis. E queremos que os nossos concidadãos e os nossos líderes percebam a necessidade de tomarem conta de cada um de nós. Estamos unidos da recordação dos nossos entes queridos”, disse.

À procura de uma compensação justa, os advogados dos familiares das vítimas avançaram com uma queixa acusando a Lufthansa de ser corresponsável pelo acidente por ter negligenciado os problemas psicológicos do copiloto.

Uma compensação de 20 mil euros por pessoas foi recusada, para lá dos 50 mil já dados pela companhia aérea logo após o acidente.

Caso o litígio continue, a indemnização pode subir até aos 3,2 milhões de euros por cada vítima.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Germanwings : "A vida foi retomada, mas os vestígios da catástrofe parecem indeléveis"

Forças de segurança realizam operações na capital da Nova Caledónia para controlar onda de violência

Macron desloca-se à Nova Caledónia para tentar pôr termo à violência no arquipélago