A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

OCDE diz que "Brexit" seria como um imposto para os britânicos

OCDE diz que "Brexit" seria como um imposto para os britânicos
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Cada britânico arrisca-se a perder o equivalente a um mês de salário, caso o Reino Unido abandone a União Europeia.

O Reino Unido é muito mais forte fazendo parte da Europa e a Europa é muito mais forte com o Reino Unido como uma força motriz.

O aviso partiu do secretário-geral da Organização de Cooperação e Desenvolvimento Económico, a menos de dois meses do referendo.

Para Angel Gurria, o “Brexit” seria como um imposto que poderá resultar, no período de quatro anos, numa queda de 3% do Produto Interno Bruto do país.

“O Brexit, um pouco como um imposto, vai atingir o bem-estar e os bolsos dos cidadãos do Reino Unido. Ao contrário da maioria dos impostos este não vai, no entanto, financiar a prestação de serviços públicos ou fechar a lacuna fiscal. O ‘imposto Brexit’ seria uma pura perda de peso morto”, assegura Gurria.

A OCDE alerta, ainda, que caso, a 23 de junho, os britânicos optem por sair do grupo dos 28, as economias da União Europeia iriam contrair cerca de 1%.

Gurria diz, ainda, que “a nossa conclusão é inequívoca. O Reino Unido é muito mais forte fazendo parte da Europa e a Europa é muito mais forte com o Reino Unido como uma força motriz. Não há nenhuma vantagem, para o Reino Unido, no Brexit.”

O movimento “Vote Leave” acusou Angel Gurria de estar a acossar os eleitores. Os defensores do “Brexit” colocam em causa a credibilidade da OCDE que, há uns anos, defendeu que o Reino Unido devia aderir ao euro.

De acordo com as últimas sondagens realizadas pelo portal “What UK Thinks”, a manutenção na União Europeia vence com 54% dos votos, contra 46% para a saída do grupo dos 28.