EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Equador: duas fortes réplicas um mês depois de sismo mortífero

Equador: duas fortes réplicas um mês depois de sismo mortífero
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Dois sismos sacudiram a costa norte do Equador, um mês depois do poderoso terramoto que provocou a morte de 700 pessoas no país.

PUBLICIDADE

Dois sismos sacudiram a costa norte do Equador, um mês depois do poderoso terramoto que provocou a morte de 700 pessoas no país.

Os abalos, com magnitudes de 6.7 e 6.8 na escala de Richter, registaram-se com algumas horas de intervalo junto à província costeira de Esmeraldas. Há apenas registo de danos e feridos ligeiros.

Um residente explica, no entanto, que “estava a dormir e nem conseguiu sair da cama” com a trepidação e que teve a sensação que “o muro ía cair-lhe em cima”.

Por receio das réplicas ou simplesmente porque ficaram sem casa e não encontram abrigo, muitos equatorianos dormem ao relento desde o poderoso sismo de 16 de abril, que destruiu a cidade de Portoviejo e várias outras localidades, fazendo, para além das vítimas mortais, mais de 6000 feridos e 29.000 desalojados.

Depois de um encontro com especialistas, ministros e representantes dos serviços de emergência, o presidente equatoriano frisou que “depois do sismo de 7.8, é normal que uma réplica de 6.8 semeie o pânico e medo”. Mas Rafael Correa lançou um “apelo à calma” e lembrou que “nas zonas de maior perigo, as pessoas que estão mais seguras são, provavelmente, as que estão em abrigos, pois trata-se de tendas”.

Apesar do cenário de destruição deixado pelo sismo de abril, Correa garantiu que em termos de “setores estratégicos, como barragens, centrais hidroelétricas, refinarias ou autoestradas, está tudo em bom estado”.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Espiral de violência no Equador

Candidata socialista foi a mais votada na primeira volta da presidencial equatoriana

Acabou a violenta campanha eleitoral no Equador, domingo há eleições