Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Ainda sem vitórias, extrema direita ganha terreno na Europa

Ainda sem vitórias, extrema direita ganha terreno na Europa
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A derrota tangêncial de Norbert Hofer na segunda volta das eleições presidenciais na Áustria pode ser um pronúncio de futuros êxitos. Uma esperança partilhada pelos apoiantes, no domingo à noite, mas também por todos os movimentos de extrema direita que acreditam na mudança.

Um austríaco, apoiante de Norbert Hofer, o candidato do Partido da Liberdade (FPÖ), explica que “não importa o resultado das eleições, se Hofer se torna presidente ou não, o que conquistámos já foi muito importante”. Uma outra apoiante do FPÖ acredita que “este é o ponto de viragem de toda a Europa. Estamos muito contentes”.

Este é o último alerta para a Europa depois do referendo sobre o acordo de associação com a Ucrânia que ocorreu na Holanda em abril. A esmagadora vitória do Não foi capitalizada por Geert Wilders, líder do Partido da Liberdade, islamofóbico de extrema direita, e apresentado como um voto de desconfiança em relação à União Europeia.

O outro ponto comum entre estes partidos radicais é a rejeição da imigração e, sobretudo, a islamofobia. Na Alemanha o movimento PEGIDA é a expressão mais extrema. Mas esta desconfiança dos muçulmanos é partilhada pela Alternativa para a Alemanha (AfD) cujo programa eleitoral propõe que o islão declarado inconstitucional. Recentemente este partido entrou em dois parlamentos regionais com resultados entre os 12% e os 24% dos votos na Saxónia-Anhalt.

Pascal Delwit, analista político da Universidade Livre de Bruxelas lembra “este é um movimento europeu com elementos que é necessário sublinhar: concentra-se sobretudo no centro e norte da Europa, enquanto Espanha, Portugal e Itália parecem estar a salvo. É verdade que em Itália e mesmo na Grécia existe a Aurora Dourada e a Liga do Norte, mas não têm o peso de partidos como o Partido da Liberdade, a Frente Nacional, o Partido Popular dinamarquês ou os Verdadeiros Finlandeses”.

Em França, o crescimento da Frente Nacional ficou provado nas eleições regionais de dezembro onde venceu a primeira volta em Nord-Pas-de-Calais-Picardie e na região de PACA, mas foi derrotada na segunda volta.
Para as presidenciais de 2017, de acordo com grande parte das sondagens, Marine Le Pen tem muitas hipóteses de passar à segunda volta.