Última hora
This content is not available in your region

"A guerra faz parte da cultura iemenita"

"A guerra faz parte da cultura iemenita"
Tamanho do texto Aa Aa

Em que grau de destruição se encontra o Iémen, a morte constante de civis numa sociedade tribal em colisão e os riscos enfrentados pelos jornalistas no terreno – é o relato que nos traz o jornalista da euronews Mohammed Shaikhibrahim, na sequência da reportagem exclusiva que preparou para o Insiders.

Sophie Claudet: Como é que entraram num Iémen em estado de sítio?

Mohammed Shaikhibrahim: Não foi uma tarefa fácil, obviamente. Fomos tentando ao longo de vários meses. Os obstáculos eram muitos, a começar pela inexistência de voos internacionais nos aeroportos. O aeroporto de Sanaa foi totalmente destruído, o de Aden também. No entanto, recentemente conseguiram retomar alguns voos para Sanaa, a capital controlada pelo grupo Ansar Allah, os Houthis. Levámos também muito tempo até conseguir obter as várias autorizações de segurança necessárias para poder entrar no país e que são exigidas pelo Ansar Allah, que comanda então o aeroporto e a capital. Os jornalistas têm de passar incontornavelmente por este grupo para entrar no Iémen.

SC: Há um risco concreto para os jornalistas?

MS: Os perigos existem e são vários: há sequestros, há homicídios. O país vive num caos total: em todo o lado, há pessoas abatidas, há bombardeamentos aéreos. Portanto, sim, diria que os jornalistas enfrentam vários riscos.

SC: Foi o que aconteceu…

MS: Sim, durante a nossa ida à região de Saada, no norte do país, fomos intercetados por um grupo de indivíduos armados que se diziam do Ansar Allah. Depois apercebemo-nos de que, na verdade, pertenciam a tribos locais que se juntaram aos rebeldes. Estivemos retidos num prédio durante várias horas. Houve uma espécie de negociação entre eles e o Ansar Allah para nos libertar. Primeiro, deixaram-me sair a mim e outro membro de equipa, mas o operador de câmara continuou confinado. Acabou depois por ser libertado também. O nosso material ficou mais de seis horas nas mãos dessas pessoas que nos intercetaram.

SC: Como é que os civis olham para esta guerra?

MS: Os civis estão divididos entre dois campos. Alguns apoiam as forças que se encontram no sul. Outros, estão com os Houthis, isso é inegável. Os dois campos procuram fortalecer-se no seio de uma população constituída por tribos. A sociedade iemenita é uma sociedade de tribos. A sociedade iemenita é uma sociedade de combate, por natureza. São pessoas preparadas para o combate terrestre. Isso significa que, infelizmente, a guerra, os combates, as armas, acabam por fazer parte da cultura iemenita. A miséria está por todo o lado no país. Mas é um povo que nunca irá aceitar a intervenção no terreno de um país estrangeiro.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.