EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

França: Comandante da polícia e esposa mortos à facada por alegado simpatizante do Daesh

França: Comandante da polícia e esposa mortos à facada por alegado simpatizante do Daesh
Direitos de autor 
De  Antonio Oliveira E Silva com AFP, FRANCE TELEVISIONS
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Um Comandante da polícia e a esposa foram mortos à facada na região de Paris por um alegado simpatizante do Daesh, depois morto pelos agentes de intervenção especial.

PUBLICIDADE

Um comandante da polícia e a sua mulher, secretária administrativa na esquadra de polícia de Mantes-la-Jolie (57 quilómetros a oeste de Paris), foram mortos à facada por um homem que disse ser fiel aos jihaditas do autoproclamado Estado Islâmico (EI) ou Daesh, pela sigla em língua árabe.

Policier tué: le forcené abattu, le corps d'une femme découvert, un enfant sain et sauf (Intérieur) #AFP

— Agence France-Presse (@afpfr) 13 de junho de 2016

O agente foi morto na rua onde vivia, por volta das 21 horas locais, quando voltava a casa, vestido à civil, depois de um dia de trabalho. O ataque teve lugar numa zona residencial na localidade de Magnaville, a 60 quilómetros a oeste de Paris, no departamento de Yvelinnes.

Nascido em 1974, o polícia trabalhava em Mureaux, a cerca de 40 quilómetros de Paris, também no departamento de Yvelinnes.

Un policier tué devant chez lui dans les Yvelines, le meurtrier retranché avec des proches de la victime https://t.co/dvHrnbdUuU

— francetv info (@francetvinfo) June 13, 2016

O atacante refugiou-se depois na casa do polícia, onde se encontravam a mulher e o filho da vítima, matando a primeira. Acabou por ser abatido pela força de intervenção especial da polícia, o Raid, depois de tentativas de negociação entre os agentes e o indivíduo.

Pierre-Henry Brandet, porta-voz do ministério do Interior (Administração Interna), disse que, “uma vez que as negociações não deram qualquer fruto,” as forças de intervenção “decidiram começar o ataque por volta da meia-noite.”

A equipa de intervenção encontrou o cadáver da mulher e o filho do casal, de 3 anos, em estado de choque, mas sem qualquer tipo de ferimento.

Depois da intervenção das forças especiais, um helicóptero pousou a alguns metros da zona, enquanto era montado um perímetro de segurança.

O ministro francês do Interior, Bérnard Cazeneuve, disse que “os homens do Raid deram provas de sangue frio, de um grande profissionalismo e conseguiram salvar o filho do casal.”

“A morte do comandante da polícia e da sua companheira são o motivo de uma infinita tristeza,” disse o ministro Cazeneuve, através de um comunicado oficial.

#Magnanville “Les négociations ne pouvant aboutir, il a été décidé de donner l'assaut” #AFPpic.twitter.com/zyJs64tsyP

— Agence France-Presse (@afpfr) 13 de junho de 2016

O presidente francês, François Hollande, por seu lado, garantiu que seria feita luz sobre o drama e marcou uma reunião de urgência na terça-feira, volta das oito da manhã, no Palácio do Eliseu. Hollande classificou o ataque como “um drama abominável” na noite de segunda para terça-feira em comunicado enviado à Agência France Presse.

Segundo a Amaq, agência de informação ligada aos jihadistas do Daesh, “um combatente do Estado Islâmico matou um polícia e a sua esposa perto de Paris.” A informação foi avançada pela página digital SITE, dedicada à vigilância de sites com conteúdo considerado jihadista.

#Magnanville : l'agence de presse de l'#EI revendique le meurtre du policier et de sa femme. pic.twitter.com/c6QhPoYFOm

— Romain Caillet (@RomainCaillet) June 13, 2016

O ataque teve lugar apenas dois dias depois do massacre de Orlando, Florida, nos Estados Unidos, durante o qual um homem armado com uma arma de assalto e uma pistola matou 49 pessoas e deixou 53 feridos, muitos dos quais em estado grave. O ataque teve lugar numa conhecida discoteca LGBT e foi levado a cabo por um norte-americano de origem afegã.

Os jihadistas do Daesh reivindicaram ainda os atentados de 13 de novembro de 2015, na cidade de Paris, que deixaram 130 mortos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Macron desloca-se à Nova Caledónia para tentar pôr termo à violência no arquipélago

Polícia francesa mata homem que tentava incendiar sinagoga em Rouen

Pelo menos dois guardas prisionais mortos em ataque a carrinha celular em França