EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Campanha pelo Brexit argumenta com custos económicos e controlo de fronteiras

Campanha pelo Brexit argumenta com custos económicos e controlo de fronteiras
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

"Controlo" é a palavra que mais se ouve da boca dos defensores do Brexit.

PUBLICIDADE

“Controlo” é a palavra que mais se ouve da boca dos defensores do Brexit, que acreditam que, ao saír da União Europeia, a Grã-Bretanha consegue voltar a ser dona da situação.

A Comissão Eleitoral decidiu dar a Boris Johnson, até há pouco tempo “mayor” de Londres, o estatuto oficial de líder da campanha contra a permanência na União Europeia.

De visita a uma fábrica de bolachas, durante a campanha para o referendo, Johnson não evitou ironizar: “Há muita massa aqui, mas nada em comparação com a massa que mandamos todos os dias para Bruxelas – 50 milhões de libras”.

Mesmo se o primeiro-ministro David Cameron defende a permanência, isso não impede vários membros do governo de participarem na campanha do não. É o caso do ministro da Justiça, Michael Gove, que salienta os aspetos económicos: “Projetos como a moeda única ou a ausência de fronteiras na zona Schengen enfraqueceram a resiliência do nosso continente. O euro criou fraquezas económicas”.

O argumento é simples: A Grã-Bretanha gasta mais do que ganha com a União Europeia, o que, de um ponto de vista puramente contabilístico, não está errado. O ratio entre contribuições e benefícios é negativo em sete mil milhões de euros… um número elevado, mas menor que o da França ou da Alemanha, por exemplo.

Outro argumento do campo do Brexit é o da imigração, mas quem mais insiste nele é o líder do partido populista UKIP, Nigel Farage.
“Controlar a imigração como membro da União Europeia não é difícil, é impossível. E a razão é óbvia. Tenho aqui um passaporte britânico e quais são as duas primeiras palavras que aparecem? União Europeia”.

Farage faz do argumento da imigração uma bandeira. A ausência de fronteiras dentro da União permite que os países não possam controlar quem entra. A crise migratória que se vive desde há mais de um ano, tal como a possível adesão da Turquia à União Europeia, vêm reforçar este argumento.

Se há algo que enfraquece o campo a favor da saída, é a divisão, nomeadamente entre a fação liderada por Johnson e a liderada por Farage, que foi o escolhido pela televisão para debater com David Cameron, chefe do governo e da corrente a favor da permanência.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Unionistas terminam bloqueio: parlamento da Irlanda do Norte pode retomar atividade no fim de semana

Batalha legal contra as "prisões" temporárias de requerentes de asilo em Inglaterra

Marcha pela reintegração do Reino Unido na União Europeia