EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Bangladeche: "Estamos de luto e vamos lutar"

Bangladeche: "Estamos de luto e vamos lutar"
Direitos de autor 
De  Nara Madeira
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

“Estamos de luto e vamos lutar”, palavras de ordem numa manifestação no Bangladeche, depois do ataque a um restaurante, em Daca, a capital do país, que terminou com 22 mortos: nove italianos, sete jap

PUBLICIDADE

“Estamos de luto e vamos lutar”, palavras de ordem numa manifestação no Bangladeche, depois do ataque a um restaurante, em Daca, a capital do país, que terminou com 22 mortos: nove italianos, sete japoneses, quatro cidadãos do Bangladeche, um americano e um indiano.

O atentado aconteceu na área onde estão localizadas as representações diplomáticas. Para as autoridades e população a situação é inaceitável.

“Este tipo de ataque, num local público, com civis inocentes, muitos deles eram convidados no nosso país, é algo inaceitável para as pessoas deste país”, adiante Khushi Kabir, uma assistente social.

Itália diz que #Bangladesh ainda pode ser palco de novos “atos hostis”. Leia mais em: https://t.co/QaPtNbqJlgpic.twitter.com/mvxd6KFrYn

— ANSA Brasil (@ansa_br) 4 de julho de 2016

“Isto nunca tinha acontecido, devemos unir-nos todos, aqui no Bangladeche, para parar isto e proteger-nos o máximo possível. Não queremos que voltem a acontecer incidentes como este”, diz Kazuku Bhiiyan, uma japonesa que reside no país há vários anos.

'Their only religion is terrorism': #Bangladeshi PM slams #ISIS hostage-taking attack https://t.co/SoftIiuyevpic.twitter.com/j9H0ZKISXB

— RT (@RT_com) 2 de julho de 2016

Ao choque pelo tragédia junta-se o facto de os jovens que conduziram o ataque serem instruídos e, como se costuma dizer, de “boas famílias”. Um deles será um atleta universitário, outro filho de um antigo líder de um partido político do Bangladeche. Outros dois seriam de famílias ricas e frequentavam escolas privadas.

#Bangladeshi rich kids well-educated and hailing from wealthy families grew up to be… https://t.co/LlEhRMpEFMpic.twitter.com/WzhxYbwtdU

— I Love Siliguri (@ILoveSiliguri) 4 de julho de 2016

From #Istanbul to #Dhaka cities sharing the same pain, grief;
our deepest condolences to the families of the victims pic.twitter.com/RgAmmmb4wS

— Elif Şafak / Shafak (@Elif_Safak) 4 de julho de 2016

Dois jovens, duas das vítimas mortais

RIP #FarazHossain who refused to abandon his two friends & was killed in #DhakaAttackhttps://t.co/quooku4rJqpic.twitter.com/lAAcTXT3d0

— Anil kumar (@_AchheDin) 4 de julho de 2016

#FarazHossain is a hero. As #Bangladeshi Muslim he was given chance to leave but stayed to protect 2 women friends https://t.co/V8b6xzKdmg

— Rita Banerji (@Rita_Banerji) 3 de julho de 2016

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

França aperta medidas de segurança antes da cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos

Ucraniano pró-russo detido em hospital francês por suspeita de planear um atentado

Polícia francesa mata homem que tentava incendiar sinagoga em Rouen