Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Comissão Chilcot: "Invasão do Iraque foi um facto de gravidade histórica"

Comissão Chilcot: "Invasão do Iraque foi um facto de gravidade histórica"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A decisão do Reino Unido de enviar tropas para invadir o Iraque, em 2003, foi um “facto de gravidade histórica”, diz, 13 anos depois, o relatório da comissão Chilcot.

O presidente do grupo de trabalho, sir John Chilcot, inicia a apresentação da forma seguinte:

“O inquérito não pretende definir quando é que é legal ou ilegal uma ação militar. No entanto, concluímos que as circunstâncias nas quais foi decidido que havia bases legais para a ação militar do Reino Unido estavam longe de ser satisfatórias”.

Em 2002, o Iraque de Saddam Hussein estava sob sanções da ONU e os inspetores tentavam determinar se o país tinha ou não um programa de armas de destruição massiva – armas químicas ou nucleares. Saddam brincava ao gato e ao rato com as Nações Unidas há 11 anos.

Por essa altura, o Reino Unido começava a abandonar a sua política de contenção pacífica para se aproximar da postura agressiva de George Bush.

“A ameça de Saddam Hussein e das armas de destruição massiva- armas químicas, biológicas e potencialmente nucleares, é uma ameaça real. Portanto, o propósito do nosso debate é encontrar a estratégia correta para lidar com isto. Porque termos que lidar com isto”, afirmava o primeiro-ministro britânico, Tony Blair, dias antes de, no parlamento, apresentar
essa ameaça potencial como evidente, citando um documento de 50 páginas.

“Isto leva a concluir que o Iraque tem armas químicas e biológicas, que Saddam Hussein continua a produzi-las, que ele tem planos militares para utilizar as armas químicas e biológicas, que podem ser ativadas em 45 minutos”, afirmava, convictamente.

“As convicções sobre as capacidades do Iraque, nestediscurso e no dossier publicado no mesmo dia, foram apresentados com uma certeza que não se justificava”, rebate agora John Chilcot.

Apesar de tudo, o Reino Unido lança-se na intervenção militar que, segundo o relatório, poderia ter sido necessária noutra altura mas, em março de 2003, Saddam Huissein não representava uma ameaça iminente.

O Reino Unido assume a responsabilidade de quatro províncias no sudeste do Iraque, sem as capacidades militares e civis para garantir a segurança, segundo o relatório.

“Os preparativos do governo não tiveram em conta a magnitude da tarefa de estabilização, administração e reconstrução do Iraque e das responsabilidades susceptíveis de cair sobre o Reino Unido”, conclui o relator.

Durante os seis anos do conflito – entre março de 2003 e julho de 2009 – foram mortos 179 soldados britânicos e 150 mil civis iraquianos.