EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Nice: Primeiro-ministro Manuel Valls reage às vaias durante homenagem

Nice: Primeiro-ministro Manuel Valls reage às vaias durante homenagem
Direitos de autor 
De  Antonio Oliveira E Silva com JOÃO DUARTE, AFP, FRANCE TELEVISIONS
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Manuel Valls, o primeiro-ministro francês, criticou as vaias de que foi alvo durante a homenagem às vítimas de Nice.

PUBLICIDADE

O primeiro-ministro francês Manuel Valls (Partido Socialista) reagiu aos protestos durante a homenagem às vítimas do ataque com um camião na noite de 14 de julho, do qual resultaram 84 mortos. Valls foi objeto de críticas, assobios, de insultos e de apelos à demissão.

O primeiro-ministro francês disse que “os assobios” e “os insultos” não eram “dignos de uma cerimónia de recolhimento.”

“Não são dignos,” disse Valls, “porque era uma homenagem às vítimas, e quando há ainda vítimas a batalhar pela vida.”

Muitos dos que assistiam à cerimónia protestaram contra o primeiro-ministro mesmo durante o minuto de silêncio pelos 84 mortos do ataque com um camião no Passeio dos Ingleses, a via marginal da cidade mediterrânica.

Manuel Valls hué par une centaine de personnes, lors de sa visite à Bastia (Corse)

➡️ https://t.co/wWkc7vEUBbpic.twitter.com/yzEQCMtOu0

— francetv info (@francetvinfo) July 4, 2016

Residente em Nice, Antony Fernandez criticou a resposta do governo depois dos atentados de Paris de novembro de 2015.

“Não me parece que tenham a resposta correta para este tipo de situações. Que fizeram eles até agora para manter-nos seguros? E que se espera que façamos agora? Vamos chorar pelos mortos cada seis meses? Agora foi em Nice, antes tinha sido em Paris e acho que vamos continuar com isto,” disse Fernandez.

Outro residente na cidade de Nice, Francesco, um cidadão italiano disse entender a revolta das pessoas, comparou as reações dos atuais governos francês e italianos perante ataques como o de Nice e disse que Paris e Roma não eram assim tão diferentes, até porque um ataque como o de dia 14 de julho não era fácil de controlar:

“Não sei muito bem em que pensam as pessoas neste momento. O governo parece ter perdido o controlo das coisas. Parece impossível, mas a mesma coisa acontece em Itália. Era um homem louco e isso não é assim tão fácil de parar. É incontrolável.”

De resto, o papel do Governo francês tem sido muito criticado pela oposição de centro-direita de Nicolas Sarkozy. O provável candidato às eleições presidenciais de 2017 e antigo presidente da República disse que o Governo Hollande-Valls não tem feito o suficiente para proteger os franceses. O Governo e alguns deputados da maioria socialista na Assembleia Nacional (parlamento, câmara baixa) criticaram a posição de Sarkozy e de algumas destacadas figuras do centro-direita, apelando “à decência,” uma vez que a França se encontrava “ainda de luto”.

Um camião avançou durante dois quilómetros sobre uma multidão no Passeio dos Ingleses, em Nice, que assitia ao fogo-de-artifício para celebar a Tomada da Bastilha.

Morreram 84 pessoas e 202 ficaram feridas, entre as quais, um cidadão português. Um dos mortos é uma cidadã brasileira. Outras duas brasileiras continuam desaparecidas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

França: PM vaiado antes de homenagem às vítimas de Nice

Terraço do edifício que ruiu em Palma de Maiorca era ilegal

Mais de 2000 dados como mortos após deslizamento de terras na Papua-Nova Guiné