EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Tóquio elege primeira mulher governadora

Tóquio elege primeira mulher governadora
Direitos de autor 
De  Euronews com LUSA, EFE, EBU, AFP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

No Japão, mais de dez milhões de pessoas foram este domingo chamadas às urnas para elegerem o novo governador da cidade, cargo equivalente ao presidente da…

PUBLICIDADE

No Japão, mais de dez milhões de pessoas foram este domingo chamadas às urnas para elegerem o novo governador da cidade, cargo equivalente ao presidente da câmara.

A confirmarem-se as sondagens à boca das urnas, a antiga ministra da defesa Yuriko Koike, de 63 anos de idade, será a primeira política do país a ascender a este posto.

Yuriko Koike vai gerir uma região cujo Produto Interno Bruto (PIB) se situa entre o das dez maiores economias do mundo.

Tokyo elects Yuriko Koike, its first female governor, to lead the city into 2020 Olympics: https://t.co/IToLvSHOSBpic.twitter.com/dSA8WaToe8

— Maclean's Magazine (@MacleansMag) July 31, 2016

“Vou esforçar-me para fazer de Tóquio uma cidade onde todos possam brilhar, homens e mulheres, crianças e adultos, os idosos e os deficientes”, disse momentos depois das sondagens serem anunciadas.

Entre os desafios que a nova governadora vai enfrentar conta-se a preparação da cidade para acolher os Jogos Olímpicos de 2020.

Yuriko Koike é membro do Partido Liberal Democrático, o partido no poder e é ainda deputada na câmara baixa do parlamento.

As eleições foram convocadas depois da demissão do anterior governador, Yoichi Masuzoe, envolvido num escândalo por uso inapropriado de fundos públicos.

No Japão, a presença de mulheres na política é extremamente reduzida situando-se abaixo de países como o Botsuana e a Libéria.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Tribunal de Sapporo declara que negar casamento entre pessoas do mesmo sexo é inconstitucional

Lituanos voltam às urnas para a segunda volta das eleições presidenciais

Eleições europeias: O que é que os eleitores querem e o que é que os candidatos prometem?