EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Síria continua a ferro e fogo

Síria continua a ferro e fogo
Direitos de autor 
De  Nara Madeira com Lusa, AP
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A trégua de três horas, decretada pela Rússia, na cidade síria de Alepo, para permitir a entrada de ajuda humanitária poderá não estar a ser respeitada, segundo fontes no…

PUBLICIDADE

A trégua de três horas, decretada pela Rússia, na cidade síria de Alepo, para permitir a entrada de ajuda humanitária poderá não estar a ser respeitada, segundo fontes no terreno.

Para além da possível falha no compromisso há outra questão que preocupa a ONU, o facto de poder ter ocorrido um ataque com cloro em gás, elemento proibido.

Um elemento das equipas de socorro, segundo a Associated Press, afirmou que três civis, mãe e dois filhos, morreram no alegado ataque com este gás, na cidade de Alepo.

A mesma fonte adianta que um “helicóptero do governo” lançou quatro bombas, na quarta-feira à noite, no bairro de Zabadieh e que uma delas continha o dito gás.

A confirmar-se, e de acordo com a ONU, trata-se de um crime de guerra:

“Não me cabe a mim dizer quem o fez ou se realmente aconteceu, no entanto há muitas provas de que terá ocorrido.

Temos um grupo especial da ONU e de outra organização a tratar esta questão. Mas se aconteceu é um crime de guerra”, afirmou Staffan de Mistura, enviado especial da ONU para a Síria.

Mas não é só em Alepo que a situação continua complicada. A Rússia lançou ataques aéreos contra Raqa, no norte da Síria, bastião do grupo terrorista Estado Islâmico.

Segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos morreram, pelo menos, 24 civis. A mesma fonte fala em cerca de 70 feridos.

O alvo seria, segundo Moscovo, “uma fábrica de armas químicas, nos arredores, noroeste, da cidade”. A Rússia confirma a morte de “um grande número de combatentes” e “danos materiais significativos” para os extremistas.

O conflito na Síria, que começou em 2011 após a repressão de manifestações pacíficas contra o regime, já fez mais de 290.000 mortos. Mais de metade da população do país fugiu. A crise humanitária no país é muito grave.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Rússia propõe trégua diária de três horas em Alepo

Dois soldados israelitas mortos em ataque do Hamas na Faixa de Gaza

Novo relatório alerta para a possibilidade de fome generalizada no norte da Faixa de Gaza