EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Turquia: Erdogan insiste na extradição de Gülen dos Estados Unidos

Turquia: Erdogan insiste na extradição de Gülen dos Estados Unidos
Direitos de autor 
De  Patricia Cardoso com Lusa, Reuters
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O presidente turco Recep Tayip Erdogan estima que “mais tarde ou mais cedo, os Estados Unidos terão de escolher: ou a Turquia ou a ‘confraria gülenista’”, o grupo de Fetullah Gülen considerado “organi

PUBLICIDADE

O presidente turco Recep Tayip Erdogan estima que “mais tarde ou mais cedo, os Estados Unidos terão de escolher: ou a Turquia ou a ‘confraria gülenista’”, o grupo de Fetullah Gülen considerado “organização terrorista” pelo governo turco.

Perante milhares de pessoas reunidas junto ao palácio presidencial em Ancara, Erdogan reiterou a vontade de obter a extradição do teólogo, instalado há 17 anos nos Estados Unidos, acusado de fomentar o golpe de Estado falhado de julho.

Erdogan falou também sobre a reintrodução da pena de morte no país se “o povo quiser”.

Em diversas cidades turcas, a noite voltou a juntar milhares de apoiantes do presidente nas designadas “vigílias democráticas”.

Com o presidente determinado a “limpar” a administração pública dos simpatizantes de Gülen, as purgas prosseguem.

Segundo a agência oficial de notícias, Anadolu, perto de 650 juízes e procuradores foram suspensos esta quarta-feira. Uma televisão privada fala também do despedimento de 560 funcionários do Conselho de Pesquisa Científica e Tecnológica.

Desde meados de julho, mais de 60 mil pessoas do serviço militar, da administração pública, da área da educação e da justiça já foram detidas, suspensas ou colocadas sob investigação.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Julian Assange declarado "homem livre" por tribunal norte-americano das Ilhas Marianas

Julian Assange libertado e a caminho de casa depois de chegar a acordo com a Justiça dos EUA

Tribunal de Londres decide que Assange pode recorrer da ordem de extradição para os EUA