EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Autorizada força suplementar da ONU no Sudão do Sul

Autorizada força suplementar da ONU no Sudão do Sul
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Luz verde do governo do Sudão do Sul para a ONU mobilizar uma força extra de 4 mil homens para manutenção de paz no país.

PUBLICIDADE

Luz verde do governo do Sudão do Sul para a ONU mobilizar uma força extra de 4 mil homens para manutenção de paz no país.

Juba concordou igualmente a autorizar a liberdade de movimentos a missão das Nações Unidas, a MINUSS.

Mas os detalhes operacionais ainda estão por definir.

“O que precisamos, a partir de agora, é passar destes compromissos de alto nível para as modalidades operacionais. O Conselho de Segurança da ONU é muito claro naquilo que é necessário e desejado, mas o governo está muito recetivo. Temos é que fazer isto de uma forma muito urgente porque, como todos sabemos, a população é vulnerável em diferentes regiões do país”, referiu Samantha Power, embaixadora dos Estados Unidos nas Nações Unidas.

In mtg w/Pres Kiir, stressed need for accountability & more peacekeepers to better prevent crimes against civilians pic.twitter.com/jIszJW5kDN

— Samantha Power (@AmbassadorPower) 4 de setembro de 2016

O conflito no Sudão do Sul eclodiu em dezembro de 2013, quando o presidente Salva Kiir denunciou uma suposta tentativa de golpe liderada por líder rebelde Riek Machar

Os confrontos na capital, Juba, em julho deste ano causaram pelo menos 300 mortes e o êxodo de milhares de pessoas.

At end of #UNSC mission, South Sudan's govt consented to Regional Protection Force. Joint communique: pic.twitter.com/6HJmXNVuml

— Samantha Power (@AmbassadorPower) 5 de setembro de 2016

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

ONU confirma a detenção de 11 funcionários no Iémen

Rebeldes Houthi detêm pelo menos 9 membros da ONU, dizem as autoridades

Prosseguem os combates em Gaza apesar da decisão do TIJ que obriga Israel a pôr termo à ofensiva em Rafah