Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Alemanha: As tensões da política migratória

Alemanha: As tensões da política migratória
Tamanho do texto Aa Aa

Cerca de um milhão de refugiados entrou na Alemanha só em 2015. O pico do afluxo ocorreu há um ano em setembro depois de Angela Merkel ter decidido abrir as fronteiras. O drama dos sírios provocou uma enorme onda de solidariedade: homens, mulheres e crianças foram recebidos de braços abertos, sem limites e com pouco controlo.

Mas essa generosidade não durou muito tempo e não foi unanime. Na Bavária, Horst Seehofer, o chefe do governo local, da CSU, um partido “irmão” da CDU de Merkel, exigiu em janeiro que fossem estabelecidos controlos nas fronteiras e um máximo de 200 mil refugiados por ano.

E a situação agravou-se em julho depois de terem sido registados quatro atentados só numa semana e três deles foram cometidos por requerentes de asilo. Dois deles foram reivindicados pelo autoproclamado Estado Islâmico.

Neste vídeo publicado pelo Daesh, um jovem refugiado afegão garante que é um soldado do califado e anuncia que o ataque seria realizado no dia 18 de julho, num comboio que circulava perto de Wurzburg. Quatro pessoas ficaram feridas no atentado, uma outra mulher foi ferida durante a fuga. O indivíduo acabou por ser abatido pela polícia. O autor do ataque com uma bomba em Ansbach, a 24 de julho, era um sírio cujo pedido de asilo tinha sido recusado. O homem morreu na explosão que não fez outras vítimas.

A Alemanha ficou chocada com esta série de atentados que contribuiram para alimentar a desconfiança de uma parte da opinião pública em relação à política de asilo de Angela Merkel. Muitos eleitores aproximaram-se mesmo dos partidos mais xenófobos como o Alternativa para a Alemanha (AfD) que conquistou bons resultados nas eleições regionais.

As autoridades alemãs têm pedido repetidamente para que não se associe migrantes e “terroristas” embora reconheça que os jihadistas foram capazes de se esconder no fluxo de refugiados. Mas todas estas situações não fizeram vacilar Angela Merkel no que diz respeito à política de abertura. “O terrorismo não é um problema novo que apareceu agora com os refugiados. Mas porque nem todos os refugiados que chegam aqui com boas intenções, vamos continuar a ter fortes medidas segurança. As pessoas estão no seu direito de esperar que façamos tudo o possível para garantir a sua segurança”, garantiu a chanceler no Parlamento.

Ora esta posição custou caro a Merkel e à CDU: a popularidade da chanceler e do partido estão em queda, a apenas um ano das eleições legislativas de 2017.