Após "derrocada" em Berlim, Merkel admite erros na política interna da Alemanha

Após "derrocada" em Berlim, Merkel admite erros na política interna da Alemanha
Direitos de autor 
De  Francisco Marques com REUTERS, LUSA, SüDDEUTSCHE ZEITUNG
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A CDU, o partido da Chanceler, perdeu mais de cinco pontos e a aliança com o SPD na capital ficou em risco, em benefício do "Die Linke" e dos eurocéticos do AfD.

PUBLICIDADE

Após o pior resultado nos pós-Guerra da União Democrática Cristã (CDU) nas eleições regionais da cidade-estado de Berlim, a líder do partido, Angela Merkel, admitiu erros na política interna, em particular na gestão da crise de migrantes e refugiados na Alemanha.

A CDU e o principal parceiro na grande coligação, o Partido Social-Democrata (SPD), cederam terreno para a esquerda e, sobretudo, para os radicais de direita, o partido Alternativa para a Alemanha (AfD).

Na hora de assumir novo revés num espaço de duas semanas, Merkel confessa que “a frase ‘Nós podemos faze-lo’ faz parte do trabalho político” que tem vindo a realizar, justificando-a como “uma tomada de posição e a expressão de um objetivo”.

PK Henkel und Merkel: Bitteres Ergebnis für die CDU in Berlin https://t.co/5T3GEL2Wtr

— CDU Deutschlands (@CDU) 19 de setembro de 2016

A Chanceler alemã lamenta, contudo, que “muito tenha vindo a ser dito a partir desta frase corriqueira e até de uma forma algo secreta”, por isso, Merkel revelou estar “muito inclinada a não voltar a repeti-la”, acrescentando ainda que, se pudesse voltar atrás no tempo, recuaria “muitos e muitos anos” e admitindo poder vir a mudar as políticas migratórias que têm vindo a custar ao executivo alguns dissabores em favor dos partidos mais populistas e nacionalistas.

Embora o SPD se mantenha como o partido mais votado na capital e a CDU, de Merkel, o segundo, a coligação perdeu força e pode vir mesmo a ser desfeita, com os sociais-democratas a poderem procurar novos parceiros junto do “Die Linke” (A Esquerda) e dos Verdes, os terceiros mais votados este domingo em Berlim, com cerca de 15 por cento do escrutínio.

Danke auch an alle Wahlkämpferinnen und Wahlkämpfer! #MM16pic.twitter.com/6GuWFIcGSc

— SPD Berlin (@spdberlin) 18 de setembro de 2016

O estreante AfD, fundado há apenas três anos, surge agora como a quarta força política em Berlim e soma já representação parlamentar noutros nove dos 16 estados germânicos.

Para a líder dos nacionalistas, “o facto de o AfD existir é um sintoma do falhanço dos partidos tradicionais, incapazes de resolver os problemas”, acusa Frauke Petry.

[ Consulte aqui a votação oficial das eleições regionais de Berlim ]

As bancas de jornais deram natural eco, esta segunda-feira, à derrocada política de Angela Merkel em Berlim. A CDU e o SPD perderam, em conjunto, mais de 10 pontos. O “Die Linke” melhorou o escrutínio face há cinco anos e igualou os Verdes nos 15 por cento.

Na primeira vez que concorreu em Berlim, o AfD conseguiu mais de 14 por cento dos votos, continua em processo de crescimento e, no próximo ano, há legislativas na Alemanha.

DANKE BERLIN! #agh16pic.twitter.com/BBjopMoDcx

— (((AfD Berlin))) (@AfDBerlin) 19 de setembro de 2016

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Detido na Alemanha um dos três membros da Fação do Exército Vermelho

Partido da coligação de governo perde um lugar no parlamento alemão

Preço das casas faz aumentar número de pessoas em situação de sem-abrigo na Alemanha