Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Missão Rosetta: Crónica de um fim anunciado

Missão Rosetta: Crónica de um fim anunciado
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A missão Rosetta tem o fim anunciado para a próxima sexta-feira. O satélite da Agência Espacial Europeia (ESA) despenhou-se de forma controlada sobre o cometa 67P/CG ao fim de dois anos de missão de observação orbital.

O cometa 67P/Churyumov–Gerasimenko. Foto: ESA/Rosetta/NavCam

Como a Rosetta não foi concebida para aterrar deverá ficar destruída durante a “acometagem”. A decisão de pôr termo à missão deve-se ao facto de o cometa estar a afastar-se da órbita de Júpiter o que fará com que os painéis solares deixem de receber a energia necessária para que a sonda continue a operar.

No dia 29 de setembro a Rosetta entrou em rota de colisão deliberada por volta das 20 e 50, GMT, e o impacto verificou-se no dia seguinte, a ESA estabelece uma margem de erro de 20 minutos. O satélite irá percorrer uma distância de 19 quilómetros durante este período e deverá enviar imagens do cometa com uma definição inédita porque até à data o mais próximo que esteve do 67P/CG foi 1,9 quilómetros. A fase final da aproximação foi por isso preparada com grande expectativa. Uma vez no solo a Rosetta deixa de emitir e a missão chegará ao fim.

O local estimado para o impacto. Foto: ESA/Rosetta/NavCam

A missão Rosetta

A missão foi lançada há 12 anos com o objetivo de alcançar o cometa 67P/CG e acompanhá-lo durante a sua órbita solar. A Rosetta partiu de mão-dada com a sonda Philae e a viagem até ao destino demorou dez anos. A Philae tinha como missão aterrar no cometa, o que sucedeu, mas a “acometagem” correu mal e a sonda acabou por ficar num local sombrio, pelo que as suas baterias rapidamente entraram em hibernação. Entretanto, conseguiu enviar dados inédito que só a partir deste mês vão poder ser analisados corretamente. É que a Rosetta conseguiu descobri-lo e as fotografias da sua localização são fundamentais para compreender os dados enviados pela sonda. A missão custou 1,4 mil milhões de euros, a preços de 2014.

A sonda Philae. Fotos: ESA/Rosetta/MPS for OSIRIS Team; contexto: ESA/Rosetta/NavCam