Papa Francisco apela ao respeito pelas diferenças na Geórgia

Papa Francisco apela ao respeito pelas diferenças na Geórgia
Direitos de autor 
De  Dulce Dias com Vatican.va, Reuters, AP, Lusa, AFP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Geórgia, onde cerca de 85% da população é ortodoxa, é um dos mais antigos países cristãos do mundo mas uma franja muito minoritária contesta o Vaticano e, consequentemente, a visita do santo papa

PUBLICIDADE

O papa Francisco chegou, esta sexta-feira, à Geórgia, para uma visita de dois dias, a convite de Elias II, o patriarca ortodoxo da Geórgia – cujo titulo completo é “Católico-Patriarca de Toda a Geórgia, Arcebispo de Mtscheta-Tbilisi e Bispo Metropolita de Abecásia e Bichvinta, Sua Santidade e Beatitude Elias II”.

Pope Francis Arrives in Tbilisi https://t.co/bns41W8qWR#PopeFrancis#Tbilisi

— Tabula (@Tabula_news) 30 septembre 2016

Esta é a segunda visita do Papa ao Cáucaso – a primeira foi à Arménia, em junho – e trata-se de uma deslocação de caráter ecuménico: da agenda do Santo Padre constam encontros com os líderes das várias comunidades religiosas desta antiga república soviética: ortodoxos, católicos, muçulmanos e judeus.

No palácio presidencial, onde foi recebido, o Papa falou do respeito pelas diferenças: “De facto, em demasiados lugares da terra, parece prevalecer uma lógica que torna difícil sustentar as legítimas diferenças e as disputas – que sempre podem surgir – num contexto de verificação e diálogo civil onde prevaleça a razão, a moderação e a responsabilidade.”

(O discurso completo, na tradução oficial para Português, está disponível no site do Vaticano.)

A Geórgia, onde cerca de 85% da população é ortodoxa, é um dos mais antigos países cristãos do mundo mas uma franja muito minoritária contesta o Vaticano e, consequentemente, a visita do santo papa.

Na berma da estrada que vai do aeroporto ao centro de Tbilissi, à passagem do cortejo papal, uma centena de manifestantes empunhou cartazes onde se lia que o papa não é bem-vindo na Geórgia.

Um dos momentos mais esperados é o encontro privado com a comunidade assíria-caldeia, uma das três comunidades católicas presentes na Geórgia, com as comunidades latina e arménia.

Esta pequena comunidade continua a usar o aramaico e o papa dirá algumas palavras na língua falada por Jesus Cristo, durante uma oração pela paz na Síria, na igreja de São Simão.

Domingo, o líder da Igreja Católico Apostólica Romana deslocar-se-á ao Azerbaijão – país maioritariamente muçulmano.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Bienal de Veneza abre ao público e espera o Papa - e há mão portuguesa no Pavilhão do Vaticano

Papa pede que se evitem "tentativas irresponsáveis de alargar o conflito" em Gaza

Papa celebrou Vigília Pascal no Vaticano depois de ausência inesperada na Sexta-Feira Santa