EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Síria: 100 crianças mortas nos bombardeamentos de Alepo

Síria: 100 crianças mortas nos bombardeamentos de Alepo
Direitos de autor 
De  Dulce Dias com AFP, Reuters, AP, UNTV
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Damasco tenta retomar Alepo com o apoio da aviação russa. Segundo a OMS, mais 100 crianças morreram nos bombardeamentos das duas últimas semanas

PUBLICIDADE

A batalha de Alepo prossegue: as forças de Damasco tentam retomar as zonas da cidade controladas pelos rebeldes, e contam com o apoio da aviação russa – que, em cerca de um ano, já matou mais de 3800 civis. Dados, divulgados pelo Observatório Sírio dos Direitos do Homem, sediado em Londres, e desmentidos por Moscovo.

#Syria “Bombs are raining from Syria-led coalition planes and the whole of east Aleppo has become a giant kill box,” https://t.co/weCcyMezpBpic.twitter.com/QJKGV8QIPf

— MSF International (@MSF) 30 septembre 2016

No terreno, a proteção civil não tem mãos a medir, como explica Ismail Abdallah: “Os ataques aéreos russos contra Alepo continuam. Todos os dias há dezenas de ataques aéreos em toda a cidade. Aqui, no bairro de al-Ansari, usam bombas não-identificadas e dois prédios estão a arder. E, como se pode ver, recuámos, porque não temos veículos suficientes. Usamos cisternas normais porque não temos suficientes cisternas de bombeiros.”

A ONG Médicos Sem Fronteiras, apelou, esta sexta-feira, a Damasco e a Moscovo, para que ponham fim ao que chamou de “banho de sangue”.

A Organização Mundial da Saúde, da ONU, fala mesmo de uma situação “insondável” no terreno.

At UNGeneva</a> press briefing, <a href="https://twitter.com/WHO">WHO representative decries the deplorable situation in besieged #Aleppo, explains what needs to be done. pic.twitter.com/Ao4t24OB7Z

— UN Geneva (@UNGeneva) 30 septembre 2016

“Nas duas últimas semanas, os bombardeamentos provocaram 338 mortos, incluindo 106 crianças. 846 pessoas ficaram feridas, um terço das quais, crianças”, explica Rick Brennan, da OMS, que acrescenta: “Há poucos dias, como devem saber, os dois maiores hospitais de Alepo foram deliberadamente atacados e não estão em funcionamento, o que reduz drasticamente a capacidade dos profissionais de saúde da cidade a salvar a vida de crianças, mulheres e civis inocentes”.

Let us b clear.Those using ever more destructive weapons know exactly what they r doing.They know they r committing war crimes-BKM on #Syriapic.twitter.com/xQtTv3EVkW

— UN Spokesperson (@UN_Spokesperson) 28 septembre 2016

O exército sírio e os aliados de Bashar al-Assad lançaram, há uma semana, uma nova ofensiva para retomar as zonas rebeldes de Alepo, onde se estima que cerca de 250.000 pessoas continuem a viver.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Síria: Horror em Idlib

Síria: Aumenta a tensão diplomática entre a Rússia e os EUA

Duas crianças entre os seis mortos após bombardeamentos de Assad em Idlib