Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Debate faz Hillary Clinton subir nas sondagens

Debate faz Hillary Clinton subir nas sondagens
Tamanho do texto Aa Aa

Os Estados Unidos vivem a “ressaca” daquele que é já conhecido como o debate presidencial mais feio da história do país e ainda na sombra dos comentários machistas de Donald Trump, feitos há 11 anos e agora revelados.

O presidente da Câmara dos Representantes, o republicano Paul Ryan, decidiu não participar em ações de campanha de Trump. O candidato republicano respondeu pelo Twitter e diz que Ryan deveria preocupar-se em gerir os problemas no Congresso:

“Reunimos multidões em todo o lado. No Ohio e na Florida estamos a ter um grande desempenho. Na Florida temos um avanço de pelo menos 25 mil votos, é impossível estarmos três pontos aquém. As sondagens estão falseadas, vivemos num sistema falseado” – Palavras de Trump em Wilkes-Barre, na Pensilvânia, no primeiro comício depois do debate, em que atacou as sondagens, que deram a Hillary Clinton a vitória no debate.

Em Detroit, onde também deu um comício de campanha, a candidata democrata voltou a atacar os preconceitos do adversário, com as mesmas palavras que usou no debate: “Ele desrespeitou e denegriu os afro-americanos, os latinos, os muçulmanos, os prisioneiros de guerra, os deficientes e os imigrantes. É um insulto à igualdade de oportunidades”.

Depois da revelação das palavras polémicas de Trump e do debate de domingo, Hillary Clinton ganhou pontos nas sondagens. O último estudo feito pela NBC e pelo Wall Street Journal dá a Clinton uma vantagem de 11 pontos sobre o republicano.

Entretanto, o debate deu origem a várias paródias: