Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

EUA: A droga não vem só das ruas, muita vem das farmácias e consultórios

EUA: A droga não vem só das ruas, muita vem das farmácias e consultórios
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Com Stefan Grobe, nos EUA

A quantidade de opiáceos receitados nos Estados Unidos é suficiente para que cada adulto tenha o seu próprio frasco destes medicamentos. Os Estados Unidos representam 5% da população mundial e 80% das receitas de opiáceos.

Uma ambulância a transportar uma vítima de overdose para o hospital é uma cena demasiado comum na cidade de Baltimore, no Estado de Maryland, Estados Unidos.

A droga é uma verdadeira praga: Não só as drogas compradas na rua, como a heroína, o crack ou a cocaína, mas também os medicamentos à base de opiáceos, como a morfina, conseguidos através de receitas médicas.

Para a comissária de saúde da cidade, Leana Wen, são estas drogas, conseguidas de forma legal, que estão na base deste flagelo: “Infelizmente, está a haver uma epidemia de prescrição de opiáceos. A quantidade de opiáceos receitados nos Estados Unidos é suficiente para que cada adulto tenha o seu próprio frasco destes medicamentos. Os Estados Unidos representam 5% da população mundial e 80% das receitas de opiáceos. Será que precisamos de tantos medicamentos? A resposta é com certeza que não”.

O consumo de drogas e a delinquência não se limitam aos centros urbanos. Começam a alastrar a zonas rurais do Estado de Maryland, até agora consideradas pacatas. A polícia do condado de Montgomery não para. A droga está na base de uma grande parte da delinquência que as forças da ordem combatem no dia-a-dia: “Lidamos sobretudo com a pequena criminalidade. Coisas como conduta desordeira ou furtos menores. Na maior parte dos casos, é o consumo de droga que está a fazer as pessoas cometer esses crimes. Nós tentamos tirá-las desse sistema e oferecer-lhes ajuda”, explica Mark Sheelor, da polícia local.

Michael Krafft, de 38 anos, é um dos ex-toxicodependentes a beneficiar do programa de ajudas do governo federal, aprovado pelo Congresso este ano como Addiction and recovery act. É uma história típica de dependências que começou com o álcool, ainda na adolescência. Deixar a dependência foi demasiado duro, mas conseguiu.

“Algumas destas drogas são tão poderosas e a saída é tão dolorosa que muitos nem sequer tentam. Há gente nos Alcoólicos Anónimos e nos Narcóticos Anónimos que conseguiu manter-se limpa por 15, 20 ou 30 anos e depois acaba por recair. Eu, se voltar a tocar na bebida ou na droga, sei que a minha vida acabou”, conta ao nosso repórter.

Michael, recuperado do vício, é agora empresário. Muitos, como o filho de Don, não tiveram a mesma sorte e acabaram a engrossar as estatísticas dos mortos por overdose: “Encontrei o meu filho morto. Entrei no quarto, ele estava numa casa a fazer uma cura. Encontrei-o e ele devia estar morto há cerca de 14 horas. Tinha 32 anos. Os vícios dele tinham altos e baixos, era um viciado funcional. As farmacêuticas, o governo, os médicos… Todos têm uma parte de responsabilidade. Isso vai ter de mudar, tal como o tratamento das doenças mentais e o tipo de ajuda e reabilitação que são necessárias”, conta este pai.

“Para mim, o que é trágico é que a ciência é clara. A ciência é inequívoca ao classificar o vício como uma doença. E existe tratamento. Sabemos que o tratamento funciona. Sabemos que a recuperação é possível. Apenas precisamos do financiamento e da vontade política para que isso exista”, conclui Leana Wen.

“Os peritos dizem que o abuso de opiáceos e a crise de dependência são emergências de saúde pública. No entanto, os políticos têm falado muito pouco deste tema durante a campanha para as presidenciais. Uma coisa é certa: Quem quer que vença a corrida à Casa Branca vai ter em mãos um grande problema, que ameaça destruir o tecido da sociedade americana” – Stefan Grobe, repórter da euronews nos EUA.