Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Mais de 40 mil sul-coreanos exigem a demissão da Presidente Park Geun-hye

Mais de 40 mil sul-coreanos exigem a demissão da Presidente Park Geun-hye
Tamanho do texto Aa Aa

Dezenas de milhares de pessoas concentraram-se este sábado no centro de Seul para pedir a demissão da Presidente Park Geun-hye, de 64 anos. Em causa está um escândalo de corrupção e tráfico de influências, envolvendo para já apenas pessoas próximas à chefe do Estado.

De acordo com a polícia, o protesto juntou 43 mil pessoas, enquanto os organizadores da manifestação garantem ter participado cerca de 100 mil.

Uma sondagem da agência local Gallup Korea deu conta sexta-feira de que a aprovação popular de Park Geun-hye havia caído a pique para os cinco por cento esta semana, o nível mais baixo de um Presidente na história da Coreia do Sul, sublinha agência sul-coreana Yonhap.

Numa mensagem ao país, emitida sexta-feira, Park Geun-hye — por enquanto apenas mera testemunha na investigação — negou envolvimento nos casos sob investigação, mas assume a responsabilidade de ter sido imprudente e aceitou ser investigada.

A líder sul-coreana referiu-se ainda às acusações de ter aderido a um culto religioso e de que teria permitido rituais xamânicos na Casa Azul, a residência e gabinete oficial do chefe do Estado. “Nada disto é verdade”, garantiu a Presidente da Coreia do Sul.

O caso foi espoletado por causa de uma amiga íntima de Park Geun-hye. Choi Soon-sil, de 60 anos e há 40 amiga da agora Presidente, foi detida segunda-feira, sob suspeita de se ter apropriado de dinheiros públicos e de abuso político.

Na quinta-feira, foi também detida Jeong Ho-seong, uma antiga secretária pessoal da Presidente, por ter alegadamente passado a Choi documentos presidenciais confidenciais envolvendo questões diplomáticas e de segurança nacional.

Na sexta-feira, a procuradoria solicitou, entretanto, a detenção de An Chong-bum, uma outra antiga secretária da Presidente responsável pela coordenação de políticas, por ter supostamente obrigado empresas locais a fazer doações para o estabelecimento de duas fundações sem fins lucrativos, a Mir e a K-Sports, das quais Choi Soon-sil é suspeita de ter desviado dinheiro.