Falta de combustível na origem do desastre do Chapecoense - (leia as comunicações com a torre de controlo)

Falta de combustível na origem do desastre do Chapecoense - (leia as comunicações com a torre de controlo)
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Falta de combustível terá estado na origem do desastre de avião que vitimou a equipa de futebol brasileira Chapecoense na terça-feira.

PUBLICIDADE

Falta de combustível terá estado na origem do desastre de avião que vitimou a equipa de futebol brasileira Chapecoense na terça-feira.

Um dos pilotos do avião da companhia Lamia terá insistido na prioridade para aterrar por ter problemas de combustível. A informação é confirmada nas comunicações entre o piloto e a torre de controlo [oiça aqui]

Esta é a transcrição da parte final da conversa entre o piloto e a torre de controlo:- Piloto: senhorita Lamia 933 está em falha total, falha eléctrica total, sem combustível.

- Torre de Controlo: Pista Livre e espere chuva sobre a superfície Lamia 933, bombeiros alertados.

- Piloto: Vetores, senhorita, vetores para a pista.

- Torre de Controle: O sinal de radar foi perdido, notifique curso agora.

- Piloto: Estamos indo 3-6-0, indo 3-6-0.

- Torre de Controle: Vire 0-1-0 o prossiga para o localizador na borda esquerda, avance para Rionegro a uma milha antes de Bora (…) Posso confirmar à esquerda 3-5-0.

- Piloto: Esquerda 3-5-0.

- Torre de controle: Sim, certo, você está a uma milha a partir dos arredores de Rionegro.

- Torre de Controle: Eu não tenho a altitude Lamia 933.

- Piloto: 9.000 pés, a perder.

- Piloto: Vetores, vetores.

- Torre de Controle: Você está a 8,2 milhas da pista.

- Torre de Controle: Qual é a altitude, agora?

- Torre de Controle: posição, Lamia 933?

Fim de transcriçãoA investigação oficial prossegue com técnicos brasileiros já no terreno para ajudar os homólogos colombianos a decifrar os dados das caixas negras.

A prioridade ao voo da Lamia não terá sido dada de imediato por existir um outro avião com dificuldades nos instrumentos de navegação.

PUBLICIDADE

A bordo do avião, um Avro RJ-85, seguiam 77 pessoas, 68 passageiros – jogadores do Chapecoense, jornalistas e convidados – e nove tripulantes.

Os futebolistas viajavam para Medellin, onde a equipa jogaria esta quarta-feira uma partida da Taça sul-americana contra o Atlético nacional.

Sobreviveram três jogadores, um jornalista, uma hospedeira e um técnico de voo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Deslizamento de terra na Colômbia mata pelo menos 15 pessoas

Quatro crianças resgatadas depois de passarem 40 dias na selva

Incêndio em prédio de 14 andares em Valência faz pelo menos quatro mortos