Itália: Europa reage com moderação a referendo e demissão de Renzi

Itália: Europa reage com moderação a referendo e demissão de Renzi
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Muitos líderes europeus lamentam a demissão de Matteo Renzi após a vitória do “Não” no referendo à reforma constitucional em Itália, mas também defendem que se trata de um assunto interno do país, que

PUBLICIDADE

Muitos líderes europeus lamentam a demissão de Matteo Renzi após a vitória do “Não” no referendo à reforma constitucional em Itália, mas também defendem que se trata de um assunto interno do país, que não reflete o sentimento dos italianos face ao bloco comunitário.

A chanceler alemã, Angela Merkel, lamentou o facto “do referendo não ter resultado no que desejava o primeiro-ministro [italiano]”, lembrando que ela “sempre” suportou “as suas políticas de reforma. Mas trata-se, claro, de uma decisão doméstica italiana que todos devemos respeitar”.

O ministro francês das finanças afirmou, por seu lado, que a Itália é “um país sólido e empenhado na construção europeia”. Michel Sapin defendeu que “não devemos analisar o resultado italiano mais além do que a questão da mudança na constituição. Os italianos votaram claramente ‘Não’. Mas se lhes perguntarem acerca da Europa, são ferozmente favoráveis à construção da Europa e a uma Itália nesta Europa”.

O presidente do Eurogrupo descartou a necessidade de uma “intervenção de emergência” em Itália, destacando as “instituições fortes” do país.

Jeroen Dijsselbloem disse que “é um processo democrático e não muda realmente a situação económica em Itália, ou nos bancos italianos. Os problemas que temos hoje, são os mesmos que existiam ontem e com os quais ainda é preciso lidar”.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Referendo australiano chumba proposta de Comissão de Defesa dos Indígenas

Polónia realiza referendo simultâneo com as eleições legislativas em outubro

Parlamento polaco aprova controverso referendo sobre migração proposto pelo governo