EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Centenas saem às ruas em Tunes contra regresso de Jihadistas

Centenas saem às ruas em Tunes contra regresso de Jihadistas
Direitos de autor 
De  Nara Madeira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A detenção de três jovens, na Tunísia, por alegada ligação ao presumível autor do atentado num mercado de Natal em Berlim, não acalmou os ânimos no país.

PUBLICIDADE

A detenção de três jovens, na Tunísia, por alegada ligação ao presumível autor do atentado num mercado de Natal em Berlim, não acalmou os ânimos no país.

O ministério da Administração Interna tunisino, adiantava, este sábado, que entre os detidos, que têm entre 18 e 27 anos, está um sobrinho de Anis Amri. O jovem terá trocado mensagens com o primo através das redes sociais e ter-lhe-á enviado dinheiro.No país não é apenas este caso que está a criar polémica. Rachid al-Ghannouchi, fundador do Ennahdha, atualmente no poder, afirmou que os “jihadistas” arrependidos podem regressar ao país o que é inaceitável para muitos.

Por essa razão, centenas de pessoas manifestaram-se junto ao parlamento de Tunes:

“Estas pessoas cometeram crimes contra a Humanidade, crimes políticos e crimes terroristas que são puníveis por lei e são ilegais em todo o mundo, inclusive à luz da lei tunisiana. Algumas pessoas querem que eles voltem à Tunísia, este protesto é daqueles que se opõe a este plano”, afirmou Jalel Dridi, ativista.

Na sexta-feira foi extraditado o ‘jihadista’ Moez Fazzani, alegadamente envolvido em atentados terroristas, como o ataque ao Museu do Bardo, na Tunísia, que provocou a morte de dezenas de turistas, no ano passado.

Fazzani terá sido entregue pelas autoridades sudanesas

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Alternativa para a Alemanha fica em terceiro lugar nas eleições autárquicas na Turíngia

"Acordemos". Macron alerta para os "maus ventos" da extrema-direita em discurso na Alemanha

Stoltenberg pede a membros da NATO que reconsiderem limites no envio de armas para a Ucrânia