A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Eleições nos EUA: diretor dos serviços secretos reitera acusações de ingerência russa

Eleições nos EUA: diretor dos serviços secretos reitera acusações de ingerência russa
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A Rússia tem “uma longa história” de interferência nas eleições norte-americanas e altos responsáveis russos estão por trás de ciberataques para prejudicar o Partido Democrata e favorecer a vitória de Donald Trump nas presidenciais dos Estados Unidos.

Quem reitera a acusação é o diretor dos serviços secretos norte-americanos, numa audiência no Senado.

James Clapper afirmou que “remonta aos anos 60, à época da Guerra Fria. Fundavam e ofereciam apoio a candidatos que preferiam e recorriam à desinformação. Mas acho que nunca enfrentámos uma campanha mais agressiva ou direta para interferir no processo eleitoral, do que aquilo a que assistimos neste caso”.

As declarações reforçam o braço-de-ferro entre os serviços secretos e o presidente eleito, favorável a uma aproximação com Moscovo e que rejeitou as acusações de interferência de “hackers” russos na campanha eleitoral.

Questionado sobre o impacto das declarações de Trump na comunidade de espionagem norte-americana, Clapper afirmou que “há uma diferença entre ceticismo saudável e calúnia”.