Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Decreto de Trump sobre imigração assusta mercados bolsistas

Decreto de Trump sobre imigração assusta mercados bolsistas
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A controversa política anti-imigração de Trump e a inflação alemã em máximos de três anos e meio pesaram sobre as bolsas europeias. Os índices do Velho Continente terminam o dia no vermelho. As perdas variam entre os 0,9% de Londres e 2,95% de Milão.

Lisboa cede 2,7%, a maior descida desde junho, penalizada pelos CTT (-13,99%) e BCP (4,63%).

A nível europeu, segundo Atakan Sahin, “os titulos do setor aéreo foram os mais penalizados, devido às incertezas”. O “trader” do ICF Bank adianta: “O principio é semelhante ao dos mercados. Como vimos e ouvimos este fim de semana, mesmo as tripulações não sabem como responder a este novo decreto. É um mau sinal e as ações ressentem a pressão”.

Tal como as bolsas asiáticas e europeias, os índices nova-iorquinos seguem em baixa. Depois dos recordes da semana passada, Wall Street vive o pior dia em três meses.

O dólar cede mais de um por cento face ao iene. Já o ouro sobe, com os investidores a procurarem valores refúgio.

O veto à entrada nos Estados Unidos de cidadãos de sete países muçulmanos faz temer uma queda na procura por viagens. Na bolsa, as ações das companhias aéreas viveram um dia negro.

A casa mãe da British Airways perdeu mais de 2% e o American Airlines Group afundou mais de 6%.