Última hora

Última hora

Detenção do líder da Samsung faz soar alarmes no mundo dos negócios

Detenção do líder da Samsung faz soar alarmes no mundo dos negócios
Tamanho do texto Aa Aa

O mundo dos negócios teme o impacto de mais este escândalo na economia. O filho do presidente da Samsung foi detido esta quinta-feira no âmbito da investigação por corrupção e tráfico de influência que levou à destituição da Presidente da Coreia do Sul.

Lee Jae-Yong é acusado de ter pago cerca de 40 milhões de dólares (cerca de 37 milhões de euros) em subornos à confidente da ex-Presidente Park Geun-Hye, Choi Soon-Sil, em troca de favores políticos.

Cho Chang-Hoon, professor na Escola de Negócios da Universidade de Sogans, lembra que “a detenção do dono da empresa terá impacto negativo não só para o grupo, mas terá também custos sociais. De qualquer forma, o sistema sul coreano mostra que não aceita este tipo de comportamento. A longo prazo fará com que a credibilidade da Coreia do Sul cresça”.

O grupo Samsung representa aproximadamente 20% da economia nacional, ou seja, tudo o que acontece à gigante tecnológica tem efeitos imediatos no país. Depois de ter sido tornada pública a detenção, as ações de Samsung Electronics chegaram a cair cerca de 1,4% a meio da sessão.

Estando o líder detido, o maior fabricante mundial de telemóveis vai ter de suspender temporariamente planos de investimento e outras decisões relevantes que só podem ser autorizadas pelo próprio Lee.

A opinião pública sul coreana está dividida. Uma residente em Seul garante que “já estava à espera da detenção, já devia ter acontecido antes. Mas agora surgiram provas suficientes. A lei é justa. Parabéns à equipa de investigadores”. Um outro morador, pelo contrário, acha “uma vergonha. O objetivo original da equipa de procuradores era a presidente Park Geun-hye mas como não conseguiram encontrar grande coisa durante a investigação então detiveram Lee. Acredito que o impacto na nossa economia será enorme”.

O maior fabricante mundial de ‘smartphones’ ainda estava a tentar recuperar do caso dos Galaxy Note 7, cujas baterias explodiam e agora volta a ser abalada por mais um escândalo.