Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Londres: Tecnologia para monitorizar a poluição atmosférica

Londres: Tecnologia para monitorizar a poluição atmosférica
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Em Londres, uma série de startups tecnológicas estão a desenvolver uma tecnologia para manter os moradores informados e nalguns casos protegidos da poluição atmosférica. A startup Airlabs apresenta um banco de ar puro. A peça de mobiliário urbano foi projetada para criar uma bolha de ar limpo à volta dela.

A tecnologia prende as partículas num sistema de filtração antes que os gases poluentes sejam absorvidos: “Estudos recentes mostram que, mesmo que conseguíssemos reduzir as emissões em mais de 50% para apenas 10% vão continuar a existir hotspots em Londres que estão acima das diretrizes da OMS relativas ao dióxido de nitrogénio. A tecnologia é utilizada há muitos anos e não está a melhorar. Esta tecnologia pode ser uma boa ferramenta para reduzir a exposição em hotspots como nas beiras de estradas, nas escolas, hospitais e em toda a rede de transportes, onde as pessoas absorvem muitos poluentes todos os dias”, diz Sophie Power, CEO da Airlabs.

O fundador e CEO da Plume Labs, com sede em Paris, Romain Lacombe, utiliza o Flow – um dispositivo portátil que avalia a qualidade do ar e monitoriza os níveis de poluição: “a Wikipedia é uma enciclopédia construída pelas pessoas – nós estamos a tentar fazer exatamente a mesma coisa para o ar que respiramos. Através das pessoas é possível monitorizar o o nível de poluição na cidade, assim será possível construir um mapa das zonas onde onde é possível escapar da poluição, em tempo real. Vai ser útil não só para pessoas que vivem nas cidades e que querem reduzir a exposição, melhorar a saúde e bem-estar, mas também para os decisores políticos, para os presidentes de câmara, para as cidades.”

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), em 2012, aproximadamente, 12,6 milhões de pessoas morreram por trabalhar ou viver num ambiente pouco saudável.