Embaixador da Coreia do Norte tem poucas horas para deixar a Malásia

Embaixador da Coreia do Norte tem poucas horas para deixar a Malásia
De  Nara Madeira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Malásia aguarda, a qualquer momento, a saída do país do embaixador da Coreia do Norte.

PUBLICIDADE

A Malásia aguarda, a qualquer momento, a saída do país do embaixador da Coreia do Norte. Kang Chol, recebeu ordem de expulsão, por críticas à investigação sobre a morte de Kim Jong Nam, o meio-irmão do líder norte-coreano. O diplomata está obrigado a abandonar o país, esta segunda-feira, até às 18h, hora local, 11h em Lisboa.

Jornalistas esperam saída do Diplomata à porta da representação norte coreana na Malásia

Cops cordon off North Korean embassy entrance with police tape to keep media from the gates. #KimJongNampic.twitter.com/pBryyyCXXp

— Sumisha Naidu (@SumishaCNA) 6 de março de 2017

A ordem foi emitida pelo ministério dos Negócios Estrangeiros malaio, depois de Kang Chol se recusar retratar-se e por não ter comparecido a uma reunião convocada pelo chefe da Diplomacia da Malásia.

O meio-irmão do líder da Coreia do Norte foi assassinado a 13 de fevereiro, alegadamente, por duas mulheres que, de acordo com as autoridades malaias, lançaram veneno VX contra o seu rosto. Para a Coreia do Norte esta conclusão é “absurda” e falta “rigor científico e coerência lógica”, na investigação efetuada. O emissário norte-coreano, enviado à Malásia para recuperar o corpo de Kim Jong Nam negou a tese de assassinato e atribuiu a morte a um ataque cardíaco.

Pyongyang, que mantinha relações cordiais com Kuala Lumpur acusa as autoridades malaias de conspirarem com os seus inimigos.

Com LUSA, AFP

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ataque a trabalhadores humanitários em Gaza causa incidente diplomático entre Polónia e Israel

Rússia veta resolução do Conselho de Segurança da ONU sobre a Coreia do Norte

Morreu cidadão lituano detido na Bielorrússia