Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Parlamento israelita a favor de proposta para silenciar mesquitas

Parlamento israelita a favor de proposta para silenciar mesquitas
Tamanho do texto Aa Aa

O parlamento israelita inflama a revolta da população árabe do país ao adoptar um projeto-lei criticado como “racista”.

Os deputados aprovaram, em primeira leitura, duas propostas que prevêem diminuir e mesmo suprimir os cinco apelos diários à oração nas mesquitas do país.

Os defensores da proposta, os nacionalistas religiosos do partido Lar Judeu e os nacionalistas laicos do Israel Beiteinou, ambos na coligação governamental, evocam o que consideram ser uma questão de “ruído” e “qualidade de vida”.

A proposta do Lar Judeu prevê suprimir os apelos à oração entre 23h e as 7h, enquanto a proposta do Israel Beiteinou vai mais longe, ao defender a probição total da utilização dos altifalantes dos templos muçulmanos situados no interior de zonas urbanas.

Segundo o deputado Motti Yogev (partido “Lar Judeu”), na origem da proposta:

“Trata-se de uma lei social que tem por objetivo proteger o sono dos cidadãos, sem, deus nos livre, prejudicar qualquer fé religiosa, quer seja o islão, o judaísmo ou qualquer outra fé em deus. Esta fé é a mesma para todos, ‘Allahu Akbar’, deus é grande.”

Uma posição dialmetralmente oposta à dos representantes da minoria árabe, cerca de 17,5% da população israelita.

Segundo o deputado Ahmad Tibi, da Lista Única Árabe:

“Nesta casa nunca interferimos em temas relacionados com cerimónias religiosas judaicas. A vossa decisão é racista ao interferir com um dos temas mais sensíveis para os muçulmanos”.

O governo tinha-se já pronunciado, em fevereiro, a favor de uma lei para evitar o ruído dos altifalantes de edifícios religiosos, sem nunca especificar que a medida se destinava apenas às mesquitas.

As duas propostas, que excluem a proibição nos locais santos, como a mesquita de Al-Aqsa em Jerusalém, necessitam ainda de ser submetidas a três votações no parlamento antes de entrarem em vigor.