Filipinos procuram "reconstruir melhor" e prevenir catástrofes naturais

Filipinos procuram "reconstruir melhor" e prevenir catástrofes naturais
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O projeto é financiado pela União Europeia e teve lugar depois do ciclone Haiyan, que deixou mais de seis mil mortos, em 2013.

PUBLICIDADE

A Euronews visitou arquipélago das Visayas Orientais, nas Filipinas, quatro anos depois da tempestade tropical *Haiyan*.

Mais de 6200 pessoas morreram na que é considerada como uma das mais violentas tempestades tropicais na História recente das Filipinas.

Encontrámos um grupo de carpinteiros que construía a futura sede da Associação de Agricultores de Barangay Bayabás localidade na ilha e província de Leyte.

Aglomeração de 400 habitantes, Barangay Bayabás fica a uma hora de Tacloban, cidade devastada pelo ciclone tropical Haiyan, em 2013.

Grande parte dos edifícios de Barangay Bayabás foi também destruida.

The Philippines became a model in risk reduction after the cyclone Haiyan killed over 6,200 people in 2013.Soon on #aidzone. pic.twitter.com/JpUznC0TNh

— Monica Pinna (@_MonicaPinna) 11 April 2017

De 82 casas atingidas pelo ciclone, 70 foram reconstruidas e as suas estruturas consideravelmente melhoradas. Cerca de 35 voluntários e carpinteiros participaram, durante seis meses, num programa de formação patrocinado pela União Europeia e pela agência Accord International. O projeto, denominado Bulding Back Better, é visto como um sucesso.

Tudo porque há uma melhoria na construção das habitações e uma preocupação com a prevenção de riscos, no caso de tempestades tropicais.

As casas são mais sólidas. A madeira utilizada é mais resistente e são aplicados metais entre pilares e telhado, dando origem a estruturas que já deram provas da sua utilidades, pois resistiram ao ciclone Hagupit, que atingiu as Filipinas um ano depois de Haiyan.

A União Europeia ajudou um pacote de ajuda de 40 milhões de euros. Parte dos fundos foi utilizada para a construção de 20 mil abrigos na região afetada.

Ainda assim, mais de um milhão de casas ficaram danificadas. Milhares de pessoas foram afetadas, particularmente em Tacloban.

Muitos, recusam-se a deixar a orla costeira, apesar dos perigos.

O arquipélago das Filipinas conta com uma população residente superior a 100 milhões de habitantes. As mais de 20 tempestades tropicais que atingem o país todos os anos fazem das Filipinas um dos países com maior tendência para catástrofes naturais em todo o Planeta.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Filipinas: Reconstruir e recomeçar, um desafio depois de Haiyan.

Presidente da Guatemala declara estado de calamidade devido a incêndios florestais

Rússia e Cazaquistão vivem "piores cheias em décadas"