Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Brexit: City poderá perder milhares de empregos

Brexit: City poderá perder milhares de empregos
Tamanho do texto Aa Aa

Qual será o futuro da City após a saída do Reino Unido da União Europeia? A questão faz parte do debate sobre o Brexit.

Em Londres, um milhão de pessoas trabalha nos importantes setores bancário e financeiro, ou seja, um em cada 14 empregos.

O presidente da Câmara de Londres, Sadiq Khan, estima que o Brexit poderá ser uma “catástrofe” para a cidade em termos financeiros e de emprego.

Jeremy Browne, representante especial da City na União Europeia, adianta: “Muitas pessoas trabalham no bairro financeiro de Londres. Isso gera muitas receitas fiscais para o governo britânico, por isso, é benéfico para economia britânica e para a economia europeia, em geral”.

Para manterem acesso ao mercado único após o Brexit, algumas instituições financeiras já anunciaram a transferência de atividades para outros países da UE.

Mas Londres deverá manter mesmo assim um papel importante, segundo J.P. Leschly Neergaard, chefe da divisão internacional do Danske Bank: “Londres é um centro financeiro, não só para a Europa e para a União Europeia, mas para todo o mundo. Londres salvaguarda muitos dos interesses financeiros da Europa e faz isso há anos”.

Por exemplo, o banco Standard Chartered vai instalar a sede europeia em Frankfurt e o HSBC escolheu Paris. O Lloyds Group, o maior banco de retalho do Reino Unido, poderá fixar as atividades europeias em Berlim.

O Instituto Bruegel estima que a City poderá perder até 30 mil empregos, com o Brexit.

Mas há quem diga que podem ser muitos mais empregos: