Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Segundo dia de greve geral marcado por confrontos

Segundo dia de greve geral marcado por confrontos
Tamanho do texto Aa Aa

A Grécia entra no segundo dia de greve geral contra o novo pacote de austeridade anunciado pelo Governo, medida essencial para que possa ser concluído a segunda revisão do programa de resgate.

O Executivo de Atenas diz que as reformas incluem aumentos nos impostos sobre todo o tipo de rendimentos, incluídos os salários mais baixos, assim mudanças nos estatutos especiais de alguns trabalhadores do setor público, como é o caso dos polícias, dos trabalhadores dos portos ou dos professores universitários. O novo pacote de austeridade inclui ainda cortes em pensões e em diferentes subsídios.

Esta quarta-feira, houve confrontos entre manifestantes e a a polícia no centro de Atenas, perto do edifício do parlamento. Alguns manifestantes lançaram cocktails molotov, ao que os agentes responderam com gás lacrimogéneo.

Para o vicepresidente da Federação dos Sindicatos do Setor Privado, Thanos Vassilopoulos, as reformas são um ataque. Vassilopoulos explicou à Euronews que era preciso responder à altura:

“Quando se enfrenta um ataque geral, responde-se com uma mobilização geral. E é isso o que está a acontecer. Enfrentamos um ataque contra as pensões, contra os sindicatos, contra as pequenas e médias empresas, que representam noventa e dois por cento da economia grega”.

As medidas afetam também regimes de contratação e horários dos trabalhadores nos setores público e privado.

Efi Michali, representante dos trabalhadores de lojas de produtos de cosmética, disse à Euronews que não entendia porque querem as autoridades abrir os comércios ao domingo:

“Não vamos ganhar mais se as lojas ficarem abertas aos domingos. Além disso, não queremos ganhar mais. Somos trabalhadores, humanos, não podemos trabalhar como escravos toda a semana. E para quê? Para servir pessoas que não querem esperar até domingo para comprarem coisas.”

Segundo a correspondente da Euronews em Atenas, os três dias de protesto terminam na Grécia no dia em que o parlamento votará as novas medidas de austeridade, ou seja, quinta-feira. Diz também que o Governo grego acredita que a única economia da zona euro ainda em recessão poderá, depois de aprovadas as reformas, começar a crescer.