EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Corpo de Simone Veil vai repousar no Panteão Nacional francês

Corpo de Simone Veil vai repousar no Panteão Nacional francês
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
PUBLICIDADE

A França despediu-se esta quarta-feira, com honras de Estado, da ex-ministra e ex-presidente do Parlamento Europeu, Simone Veil, falecida na sexta-feira aos 89 anos de idade.

Uma homenagem fúnebre, no monumento dos Inválidos em Paris recordou o legado da sobrevivente dos campos de extermínio nazi e ex-responsável da pasta da Saúde que fez aprovar a primeira lei da despenalização do aborto em França em 1974.

Uma homenagem pública que contou com a presença da classe política francesa e europeia para assinalar o papel de pioneira da primeira mulher presidente do parlamento europeu em 1979 na reconciliação franco-alemã, dez anos antes da queda do muro de Berlim e da reunificação do país.

Depois da intervenção dos dois filhos de Veil, o presidente francês, Emmanuel Macron, recordou o exemplo inspirador da política e militante, anunciando que o corpo de Veil e do marido vão ser transferidos para o Panteão Nacional, ao lado de personagens ilustres como Victor Hugo ou Voltaire.

“Ela amou e defendeu sempre a Europa pois sabia que no coração deste sonho europeu havia também um sonho de paz e de liberdade, valores pelos quais tanto lutou. Ela não fez do esquecimento assim como do perdão aos carrascos uma condição essencial desta reconciliação, bem pelo contrário, pois ela queria que a memória se mantivesse viva para que o inconcebível não voltasse a acontecer e não para tentar diminuir o horror”, sublinhou Macron.

Ausente da cerimónia esteve a líder da extrema-direita francesa, Marine Le Pen, oficialmente por “razões pessoais”.

Como presidente da fundação da memória da Shoa, o holocausto nazi, Veil tinha denunciado por várias vezes as teses revisionistas defendidas pelo partido Frente Nacional, nomeadamente depois de Jean-Marie Le Pen ter colocado em dúvida a existência dos fornos crematórios nos campos de concentração.

A cerimónia terminou com a saída do caixão de Veil para o cemitério de Montparnasse em Paris – de onde deverá ser mais tarde transferido para o Panteão Nacional – ao som do “Chant des Marais”, o canto dos milhões de pessoas deportadas à força para os campos da morte do nazismo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Morreu Simone Veil (1927-2017), autora da legalização do aborto em França

Macron desloca-se à Nova Caledónia para tentar pôr termo à violência no arquipélago

Polícia francesa mata homem que tentava incendiar sinagoga em Rouen