Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Brexit, Trump e a ascensão da França "Macronista"

Brexit, Trump e a ascensão da França "Macronista"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Com a eleição de Emmanuel Macron, a França passou a figurar na lista mundial dos países mais influentes. Isto é o que defendem alguns analistas políticos, com recurso a conceitos novos de Relações Internacionais.

A França tomou o lugar dos EUA no ranking Soft Power Index elaborado pela Universidade da Califórnia do Sul e pela empresa de relações públicas Portland Communications.

O termo “Soft Power” que traduzido do inglês significa “poder suave”, é relativamente recente em Relações Internacionais. Foi introduzido em 2004 pelo cientista político neoliberal norte-americano Joseph Samuel Nye Jr., professor da Universidade de Harvard, cofundador da teoria da interdependência complexa e do neoliberalismo. Segundo Nye, “Soft Power” é um poder que utiliza a capacidade de influência da propaganda, dos média, diplomacia, economia e cultura popular, a “habilidade de influenciar o comportamento dos outros para conseguir o resultado pretendido”, em contraste com o conceito de “Hard Power”, de caráter coercivo e militar.

O “Soft Power Index” baseia-se em pesquisas realizadas em 25 países, usando dados como o número de restaurantes com estrelas Michelin e os níveis de desenvolvimento digital para classificar as nações.

Os autores do relatório observaram que a eleição de Donald Trump e o referendo pelo Brexit no Reino Unido, pesou sobre a classsificação dos dois países.

“O Reino Unido … vai passar os próximos dois anos a gastar quase toda sua energia num divórcio amargo com seu maior parceiro comercial e aliados próximos”, observou o relatório. “Ao mesmo tempo, os EUA estão a testar o novo conceito de política externa ‘America First’, que – pelo menos inicialmente – colocou os aliados em vantagem, deixou na incerteza a arquitetura de segurança pós-Segunda Guerra Mundial e derrubou os esforços globais para combater a mudança climática”.

O relatório observou que, ao invés de causar um efeito dominó, o Brexit parece, atualmente, ter aumentado a unidade no resto da União Europeia.

Os 10 primeiros no ranking do poder suave