Polónia rejeita interferência da UE

Polónia rejeita interferência da UE
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Ministro da justiça polaco, Zbigniew Ziobro, rejeita a "interferência" da UE relativamente às reformas no sistema judicial.

PUBLICIDADE

O Presidente da Polónia, Andrzej Duda, promulgou um de três decretos aprovados pelo governo nacionalista que reforçam o seu domínio no sistema judicial.
As propostas causaram polémica. A comissão Europeia acredita que a independência política do Supremo Tribunal está ameaçada e discute a possibilidade de impor sansões a Varsóvia.

Mas o ministro da justiça polaco, Zbigniew Ziobro, rejeita a “interferência” da UE relativamente às reformas no sistema judicial dizendo que: “Aprendemos nas aulas de história, que os Países Baixos têm uma longa experiência no que toca ao colonialismo, mas os maus hábitos devem ser eliminados. Gostaria de pedir ao Sr. Timmermans para deixar de falar com tanta insolência e arrogância sobre a Polónia. Com os polacos e com as autoridades polacas porque merecemos e exigimos respeito”.

A Comissão Europeia deu um prazo de um mês às autoridades polacas para encontrarem uma solução para os problemas identificados no projeto de reforma.
A Polónia assistou a vários dias de protestos em Varsóvia e noutras cidades, com milhares de pessoas organizadas em manifestações e vigílias noturnas em frente aos tribunais, contra a reforma do sistema judicial.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Parlamento polaco investiga utilização do software Pegasus

Agricultores polacos prometem continuar protestos na fronteira com a Ucrânia

"Schengen militar": o que vai mudar o acordo assinado pela Polónia, Alemanha e Países Baixos?