Colômbia rejeita opção militar dos EUA para a Venezuela

Colômbia rejeita opção militar dos EUA para a Venezuela
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O vice-presidente americano Mike Pence reuniu-se com o presidente da Colômbia em Cartagena, ouviu o apelo a uma solução pacífica, mas reiterou avisos de Washington a Caracas.

PUBLICIDADE

A Colômbia não alinha numa eventual intervenção militar estrangeira na Venezuela.

Na sexta-feira, Donald Trump admitiu a ação militar entre as muitas opções para um país onde o Presidente dos Estados Unidos diz haver “muita gente a sofrer e a morrer”.

Ao lado do vice-presidente norte-americano Mike Pence, o líder colombiano Juan Manuel Santos garantiu: “A América Latina — todos os países, diria eu — não concordariam com uma intervenção militar (na Venezuela). Uma transição no regime venezuelano rumo à democracia deve ser uma transição pacífica.”

Le expresé al VP</a> que EE.UU. no debe contemplar una intervención militar en Venezuela. América es un continente de Paz, mantengámoslo así. <a href="https://t.co/xyC9NjvQLA">pic.twitter.com/xyC9NjvQLA</a></p>— Juan Manuel Santos (JuanManSantos) 14 de agosto de 2017

Mike Pence não colocou de parte a solução pacífica, mas reforçou o aviso manifestado dias antes pelo chefe da Casa Branca.

The United States will not rest and will not relent until Venezuela is restored to a full and prosperous democracy. #VPinSApic.twitter.com/TBOVKdY91D

— Vice President Pence (@VP) 13 de agosto de 2017

“Os Estados Unidos, a Colômbia e as nações livres da América Latina não vão ficar em silêncio. A Venezuela está a derrapar para uma ditadura e, como Presidente Trump já o disse, os Estados Unidos não vão ficar a assistir à derrocada da Venezuela”, reiterou Pence.

Após a ameaça de Donald Trump, o ministro venezuelano da Comunicação anunciou durante o fim de semana uma marcha anti-imperialista a realizar esta segunda-feira, numa publicação pelas redes sociais da internet acompanhada pela “hashtag” #StopTrump (n.: Parar Trump).

Mañana LUNES 14/8 9AM Marcha Antiimperialista en rechazo a amenaza militar contra Venezuela. CANTV AvLibertador hasta Miraflores #StopTrumppic.twitter.com/dTs8KitzpX

— Ernesto Villegas P. (@VillegasPoljak) 13 de agosto de 2017

O executivo de Nicolás Maduro cerra fileiras, apela à união da América Latina contra os Estados Unidos e ignora as acusações de estar a implementar uma ditadura no país que tem as maiores reservas de petróleo do mundo e está a atravessar há meses uma grave crise política, social e económica.

1:20 end

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

EUA: estudantes universitários são presos por protestos pró-palestinos

Mike Pence: "A maioria dos norte-americanos acredita no nosso papel de líderes do mundo livre"

Zelenskyy: "Temos de obrigar Putin a admitir o óbvio: a guerra não lhe trará resultados"