EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Polónia celebra os 78 anos do início da II Guerra Mundial

Polónia celebra os 78 anos do início da II Guerra Mundial
Direitos de autor 
De  Ricardo Figueira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

A primeira-ministra Beata Szydło fez um discurso marcadamente político.

PUBLICIDADE

Foi há exatamente 78 anos que a II Guerra Mundial começou, com a invasão da Polónia por parte da Alemanha nazi. A data foi assinalada em Westerplatte, uma cidade que lutou sete dias contra a invasão em 1939, pela primeira-ministra Beata Szydło. O discurso da chefe do governo, que pede à Alemanha uma indemnização pelos danos da guerra, foi marcadamente político: “Os valores que os polacos defenderam durante a guerra estão na base do processo de união do continente. Por isso, quando na Europa aparecem sensibilidades diferentes, a Polónia tem o direito moral de reivindicar esses valores”, disse a primeira-ministra.

A invasão começou com o bombardeamento alemão da cidade de Wieluń, na madrugada do dia 1 de setembro de 1939. Dois dias depois, a França e o Reino Unido declaravam guerra à Alemanha nazi – estava lançado aquele que viria a ser o maior conflito do século XX. A II Guerra Mundial durou seis anos e mudou para sempre a face do globo.

#Poland was the first country to stand up to German Nazi aggression.

“Poland First to Fight,” the 1939 British poster by Marek Żuławski. pic.twitter.com/wibrfPvClz

— Poland.pl (@Poland) September 1, 2017

1.09.1939. Germany, not “Nazi-state” attacked Poland. Worth to remember what was obvious for the public opinion back then, and it isn’t now. pic.twitter.com/WrGY1rZvyp

— Marcin Makowski (@makowski_m) September 1, 2017

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Tusk nomeia comissão para investigar influência russa e bielorrussa após detenções de espiões

Primeiro-ministro polaco promete reforçar a segurança na fronteira com a Bielorrússia

Polónia quer estar pronta caso haja um ataque da Rússia e pede à UE para dar mais armas à Ucrânia